Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

QUANDO NASCE UM ROMANCE (paginas 12-14) 185 paginas

cont....


A casa tinha quatro cômodos, banheiro, sala, cozinha e uma pecinha minúscula que deveria ser o quarto, que estava servindo de depósito. Tudo que deveria ser organizado, arrumado, que poderia ter alguma utilidade, ia sendo guardado naquela peça. Para o dia que eu resolvesse organizar minha vida.

De novo o aluguel estava atrasado. Puxei a descarga e vi a água se misturando com minha urina cor de ouro descer pelo buraco do vaso, a louça do vaso branca tinha uma mancha amarelada de urina. Já ouvi dizer que Coca-Cola é uma boa para desentupir os encanamentos, caixa de gordura, sanitário e tudo mais. Baixei a tampa do vaso enquanto a caixa d’água da descarga enchia, fui para a frente do espelho e fiquei me admirando. Tinha um charme especial, rosto de bom garoto com olhos de encrenqueiro, meu cabelo escuro e pele clara dava o toque, sempre gostei de me vestir de forma básica, camiseta, Jeans, jaqueta, tênis. O básico dos básicos. Tinha algumas camisetas brancas e algumas pretas, todas lisas, nunca gostei de estampas e outras cores. E a famosa áurea de escritor que nunca escreveu nada, nada que pudesse ser publicado, que tivesse algum valor. Eu apenas sabia que um dia ia acontecer.

Estava com a impressão que o telefone ia tocar de novo. O som que vinha da rua que estava me dando nostalgia agora me criava certa angústia e ia ficando a cada minuto mais forte. Posso ter ficado louco! - Gritei. Foi um grito dentro da minha cabeça que não interferiu no tic-tac do relógio, mas mesmo assim não me sentia seguro e muito menos à vontade comigo. Tinha a impressão que todo mundo podia escutar os meus pensamentos. Voltei para sala e fiquei andando, procurando o que fazer, passava a mão pelos livros espalhados, folheava algumas páginas, mas não tinha vontade de ler. Sentei na minha cadeira em frente ao computador, dei uma olhada no que estava na mesa, encontrei um pedaço de sanduíche que já estava     há alguns dias debaixo de uma conta de luz. Comi o sanduíche, ainda estava gostoso. Levantei e fui até a porta e dei uma olhada pelo olho mágico, não tinha nenhuma mágica. Voltei em direção da mesa, me curvei e encontrei uma garrafa de vinho dentro da lixeira ao lado da mesa, um bom vinho. Nem tudo que é caro é bom, e nesta mesma lógica, aquele era um bom vinho barato. Meia garrafa de vinho é tudo que um homem precisa para começar a ver a vida com uma perspectiva melhor. Fiquei sentado no sofá ao lado do telefone, esperando a próxima ligação. Bebendo e admirando a obra de arte que a umidade e o mofo estavam fazendo nas paredes. Tinha uns desenhos interessantes de mofo misturado à tinta que ia se desprendendo das paredes. Na parede do fundo, formou uma silhueta que lembrava o colo de uma mulher que deveria ter boas ancas, parecido com aquelas fotos preto & branco dos anos 1920 ou 1930. Não sei bem a época, mas aquelas mulheres com curvas generosas, deliciosamente sensuais e volumosas. Quase voltei a adormecer, fiquei cochilando no sofá.


....cont....



compre aqui na amazon.com.br



Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG

livros mais vendidos na amazon, dica de leitura, kindle, ebook, book, baixe agora

livros mais vendidos na amazon, terceira semana em destaque, aproveite e leia agora
adquira o seu exemplar também
Lista de mais vendidos da Amazon:
#2 em Livros > Infantil e Infantojuvenil > Ficção Científica, Fantasia e Terror > Terror de dar Calafrios
click no link e aproveite

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA - ERIK LARSON

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA ERIK LARSON ormato(s) de venda:livro, e-bookTradução:Berilo VargasPáginas:432Gênero:Não FicçãoISBN:978-85-8057-850-8E-ISBN:978-85-8057-851-5Lançamento:27/10/2015
Em 1o de maio de 1915, com a Primeira Guerra Mundial chegando a seu décimo mês, um luxuoso transatlântico saiu de Nova York com destino a Liverpool, com um número recorde de bebês e crianças a bordo. Era uma surpresa que os passageiros estivessem tão tranquilos, já que a Alemanha declarara os mares ao redor da Inglaterra como zona de guerra e havia meses os submarinos alemães levavam terror ao Atlântico Norte. Mas o Lusitania era um dos maiores e mais rápidos navios em serviço, e seu capitão, William Thomas Turner, acreditava piamente no cavalheirismo de guerra que por um século evitou que navios civis fossem atacados. No entanto, a Alemanha estava determinada a mudar as regras do jogo, e Walther Schwieger, o capitão do Unterseeboot-20, estava feliz em colaborar. Enquanto isso, um serviço de inteligên…