Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

yo ho ho e uma garrafa de rum


Kerouac levou seu pontapé na bunda

Fante ficou doce e cego

London no final foi um bom menino americano

Hemingway e sua abstração por limpeza

Neruda confessando seu erro

Rimbaud fedendo em casa

Baudelaire e suas rosas murchas

Nietzsche e sua tragédia

Huxley mariposando o futuro

Kafka em seu ponto a espera de um ônibus

Goethe ainda escrevendo suas cartas

Blake sendo gentil

Poe colocando uma vela na janela

Lorca perdido numa noite fria

eles estão na prateleira errada

eles estão no corredor errado

o vendedor de peixes sabe

o açougueiro sabe

VOCÊ se lembra que falta o tempero

a dona do lar nunca esquece

“Você se lembra das coisas” ela diz.

E o corredor fica mais apertado, as gôndolas vão se enchendo, você se enche. Mas o homem comum continua leve. E sonha com a aposentadoria. E sonha com o carro novo. A casa que nunca vai ser própria. A mulher que nunca mais, vai ser jovem. Com sua cara no espelho. E eles estão errados. E eles estão certos. No final não faz diferença mesmo.

Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG

livros mais vendidos na amazon, dica de leitura, kindle, ebook, book, baixe agora

livros mais vendidos na amazon, terceira semana em destaque, aproveite e leia agora
adquira o seu exemplar também
Lista de mais vendidos da Amazon:
#2 em Livros > Infantil e Infantojuvenil > Ficção Científica, Fantasia e Terror > Terror de dar Calafrios
click no link e aproveite

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA - ERIK LARSON

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA ERIK LARSON ormato(s) de venda:livro, e-bookTradução:Berilo VargasPáginas:432Gênero:Não FicçãoISBN:978-85-8057-850-8E-ISBN:978-85-8057-851-5Lançamento:27/10/2015
Em 1o de maio de 1915, com a Primeira Guerra Mundial chegando a seu décimo mês, um luxuoso transatlântico saiu de Nova York com destino a Liverpool, com um número recorde de bebês e crianças a bordo. Era uma surpresa que os passageiros estivessem tão tranquilos, já que a Alemanha declarara os mares ao redor da Inglaterra como zona de guerra e havia meses os submarinos alemães levavam terror ao Atlântico Norte. Mas o Lusitania era um dos maiores e mais rápidos navios em serviço, e seu capitão, William Thomas Turner, acreditava piamente no cavalheirismo de guerra que por um século evitou que navios civis fossem atacados. No entanto, a Alemanha estava determinada a mudar as regras do jogo, e Walther Schwieger, o capitão do Unterseeboot-20, estava feliz em colaborar. Enquanto isso, um serviço de inteligên…