Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

viver é provocar os amigos

Um exercício para provocar a mente antes de começar a escrever. Gosto de pegar todas as sensações que o dia me provocou e jogar no papel, sem pensar a respeito do que estou escrevendo. E depois que eu fico cansado e exausto, então sim começo a escrever da maneira que quero. Este poema que escrevi foi à sensação que senti quando vi uma senhora bem idosa esmolando na rua. Fiquei pensando nela, fiquei pensando na sociedade, fiquei pensando no tempo, nos caminhos. E joguei tudo no papel. Cada vez que começo a brincar com o computador. Vou fazendo assim, uns vinte quase poemas. E depois que me sinto aliviado. Escrevo algo. Este é um desses quase poemas....outra brincadeira que gosto de fazer é jogar com as palavras de forma abrupta e truncada. Gosto do som e da imagem que remetem. Meu jogo não é construir o poema e prende-lo no papel, é construir uma imagem com palavras que possam iludir e propiciar a construção do poema. Para mim o poema se constrói de forma individual e independente. No papel podemos apenas imprimir leves nuances de possíveis pegadas que levam a um possível caminho. O resto é interpretação individual. Não gosto de quando se tenta massificar as experiências do individuo em prol do coletivo. Mesmo fazendo parte de um grupo seremos sempre indivíduos, com necessidades e características muito peculiares. ...agora este individuou vai servir mais uma dose de uísque e continuar sua viagem solitária. hehehe

Quando tudo o mais for divino
lembremos da vida e morte de um menino.
Quanto mais à vida não nós cobra
é maior nossa divida na obra.
Sim, já escrevi antes. Mas é verdade também
que bem antes, não tive olhos.
Não me agrada este poema
Que mente a idade que não retarda
Que traz nas palavras uma luz
E sombras escondidas em intenções.
Quando tudo o mais for divino
nem no paraíso se cantara hinos
as bandeiras cobriram a lama
e a estrada será sem volta e calma.
Mas realmente e realmente se faz lúcido
quando tudo o mais for divino
as palavras se apagaram do papel timbrado
nem mesmo saberemos o que é papel ou timbre
vai existir apenas um enigma
escondido entre rugas e cabelos brancos.
A idade é apenas uma carapaça dura e às vezes indulgente
e em algumas, raras vezes
 e docemente
 se cala.


Para terminar a brincadeira, também tem que se fazer um jogo com o tempo na mesma frase, misturar (passado/presente/futuro) e colocar palavras que soem de forma estranha. Eu começo a imaginar uma cena a partir do som das palavras e não do significado das palavras. Não sou adepto de rimas fáceis ou difíceis, às vezes uso como molas para dar outro sentido. E em seguida quebro o fluxo que elas causam. Apesar de ser toda uma experiência individual, não é a experiência do individuo, mas a experiência do personagem que o individuo cria para compor aquela experiência. Já que eu tenho apenas uma vida para gastar prefiro ser muitos. Heheh, boa noite amigos!

Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

"Eu nunca o vi bêbado" - uma entrevista com o editor de Bukowski (RARIDADE)

John Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odeia. Foi o que ele nos contou sobre sua conta.





Bukowski e sua esposa Linda. Fotos via Getty Images

Seja qual for a sua opinião de Bukowski - que você acredita que um niilista talentoso que só pensou em beber e foder, a voz de uma geração, ou um pouco de ambos - é inegável que era uma figura fundamental na história literária de Los Angeles. Por esse motivo, quando faz alguns anos trabalhamos no número do programa (o tema de Hollywood), decidi entrar em contato com John Martin, o editor de Bukowski. No final, a entrevista não foi publicada e permaneceu no rascunho até alguns dias atrás, quando decidimos publicá-la.


Se existe uma pessoa viva que pode dizer que conheceu o verdadeiro Charles Bukowski, essa pessoa é Martin. Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odei…

Exclusive Stephen King Interview - Entrevista exclusiva de Stephen King

Stephen Edwin King (born September 21, 1947) is an American author of contemporary horror, suspense, science fiction and fantasy. His books have sold more than 350 million copies[2] and many of them have been adapted into feature films, television movies and comic books. King has published fifty novels, including seven under the pen name Richard Bachman, and five non-fiction books. He has written nearly two hundred short stories, most of which have been collected in nine collections of short fiction. Many of his stories are set in his home state of Maine. King has received Bram Stoker Awards, World Fantasy Awards, British Fantasy Society Awards, his novella The Way Station was a Nebula Award novelette nominee,[3] and his short story "The Man in the Black Suit" received the O. Henry Award. In 2003, the National Book Foundation awarded him the Medal for Distinguished Contribution to American Letters.[4] He has also received awards for his contribution to literature for his …

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG
Criar e imprimir cartão de visita e flyer