Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

O carpinteiro e a estante de metal - Contos - Com Prazer VI



O dia parecia ter começado perfeito. Apenas parecia por alguns segundos, até o vizinho começar a martelar a parede que dividia os dois quartos. Pablo tinha uma terrível mania de acordar de bom humor todos os dias. Ele sempre dizia que para começar o dia bem, tinha que acordar cedo. E ele realmente acordava cedo. Terrivelmente eufórico e cheio de vida, cantarolando, batendo nas coisas, abrindo e fechando portas e gavetas. Cedo escancarava sua janela e gritava um estridente – Bom dia! Parecendo uma ratazana gigante, gruindo um som de besta ferida. Enquanto eu ainda tentava escrever alguma coisa. Depois de tantas horas procurando alguma inspiração e quando penso que vou chegar lá. Ele começa a distribuir sua euforia pela vida. Uma vida medíocre, igual a minha.  Sai do quarto e fui até sua porta, três batidas na porta. E o sujeito abriu a porta com um sorriso branco e idiota.
- Lindo dia Jeux! Ele disse.
 Estufando o peito, como se quisesse roubar todo o ar fresco da manhã. Precisava terminar com aquela tortura.
- Pablo, o vizinho do numero 2, morreu! Eu disse.
- Como? Ninguém me avisou.
- Ele morreu ontem, e a mulher dele esta tentando descansar.
O Sujeito, foi murchando o sorriso, dava pra ver o constrangimento em seu rosto. Sua cor mudou como se ele estive nauseado.
- Que horror. Ele disse.
- Pode fazer menos barulho? Eu disse.
- Claro, meu amigo - ele disse -, Eu não sabia.
- Tudo bem, mas agora você sabe!
Dei as costas e voltei para o meu quarto, satisfeito, devo ter dado uma leve contração muscular em meus lábios enquanto me distanciava. Quase um sorriso, pequeno e amarelo é a expressão da vitoria. Realmente parecia ser um lindo dia. Voltei para o quarto e sequei o resto de vinho que ainda tinha na garrafa. Fazia tempo que não me sentia tão satisfeito. No quarto ao lado ficou um silencio de velório. Pensei, - É perfeito!
Voltei para maquina, à folha em branco continuava me olhando. Mas não conseguia escrever, o silencio começou a incomodar. Comecei a pensar no que ele podia estar fazendo. Vai ver ele sofreu um infarto por causa da noticia e esta morto. Nada de som vinha do outro lado da parede.  Apoiei meus cotovelos na mesa e fiquei um pouco segurando minha cabeça com as mãos. Minha consciência começou a pesar, levantei a cabeça e olhei para um lado e outro. O silencio ainda persistia.  Não podia continuar naquele silencio, peguei a caneta e comecei a tamborilar na mesa, mas não adiantava. Continuava pensando porque ele não fazia nenhum barulho, nem um pigarro, uma tosse matutina. Aquilo realmente começou a me deixar muito irritado. - O que o idiota estava fazendo?
Voltei à porta do quarto dele, e expliquei que tinha sido uma brincadeira.
- Que bom! Ele disse, abrindo aquele sorriso branco.
- Sim, foi só uma piada. Eu disse.
- Mas hoje é primeiro de abril?
Ele achava que era uma piada de primeiro de abril, o sujeito estava sempre perdido. Bom eu também não fazia a menor noção de que dia era. Não importa.
- Não Pablo, hoje não é primeiro de abril.
- E porque você fez isso?
- É que olhei errado na folhinha.
- legal! Mas você é bem desatento mesmo.
- Eu sei! Eu sei!
Voltei para o quarto, e ele começou a bater na parede e cantarolar. Tínhamos a nossa rotina salva. Minha cabeça começou a doer. Uma enxaqueca terrível. Comecei a encher meus ouvidos com buchas de algodão. Mas não adiantava. Cada vez o som ia aumentando. Eu sentia como se ele estivesse batendo com seu martelo direto em minha cabeça, e aquele sorriso branco de bom rapaz, enquanto ia batendo o martelo de forma compassada e rítmica.
Seus comentários idiotas, sobre a possibilidade de eu conseguir algum emprego. Aquilo sim me deixava louco, como ele podia cogitar a idéia de eu me tornar mais um zumbi, andando para baixo e para cima, como um tipo qualquer. Ele realmente ainda não tinha entendido as reais necessidades de um homem. Pablo se achava um bom pintor, que pintava com profissionalismo. Nunca tinha visto um atelier de pintura como o quarto dele, parecia um hospital, completamente asséptico, limpo. Ele sabia tudo, tinha a técnica, mas lhe faltava alma. Trabalhava oito horas por dia como atendente na farmácia da esquina. Um pintor não deveria trabalhar de atendente numa farmácia, ele não usava drogas, não bebia, não fumava. É provável que ainda fosse virgem, e passasse a maior parte do tempo olhando televisão. O sujeito fazia a barba todos os dias e usava camisas brancas e limpas. Qual o pintor consegue ter uma peça de roupa sem tinta, onde estava a loucura dele.
Meu quarto já era bem diferente, parecia uma zona de conflito, onde algumas granadas aviam sido detonadas, o caos estava instalado em todos os cantos, livros, papeis, garrafas, resto de comida bolorenta, roupa suja, moveis quebrados. Meus moveis, havia comprado em um brick, como minhas roupas que também era de segunda mão, e não tinha nada a ver com modismo, apesar de ter entrado para a moda atual de uma forma não premeditada. No fundo dos meus bolsos tinha a justificativa mais justa. Não tinha nada, e esta era a situação. O dinheiro andava cada vez mais escasso, tinha apenas o suficiente para o vinho e o pão. Acho que por isso que ele achava que eu era um tipo de cristão. Mas o mais incrível, naquele quarto tinha sido um cogumelo, que surgiu no degrau da porta que levava ao banheiro. Um dia olhei para a porta e lá estava, algo crescendo no canto do degrau, numa rachadura, no piso de cimento queimado. A cada hora ele ia se modificando, crescendo de forma alucinante, até surgir à parte de cima como um guarda chuva fechado, que aos poucos foi se abrindo, e descendo uma renda. Um lindo cogumelo branco e rendado.  Pablo um dia quase o amassou com a sola de seu sapato limpo, ele tinha vindo me trazer um livro (O grande carpinteiro), um livro sobre a vida de Jesus Cristo. Ele sabia que gostava de livros, e achou que deveria ler aquele livro. Mas isto nunca aconteceu, e o livro continua na estante de lata, logo abaixo do pé direito, para dar equilíbrio a estante. Um carpinteiro equilibrando uma estante de lata parecia algo com um sentido mítico. Perdido naquele quarto escuro.
Três batidas na porta tiraram a minha atenção do quarto ao lado, porque as pessoas dão três batidas nas portas. Que falta de identidade é tudo massificado e padronizado. Hum, eu também dou três batidas na porta, isto é mal. Fui até a porta e para minha surpresa, era a vizinha do quarto 2.
- Bom dia Jeux! Ela disse.
- Bom dia Raquel! Eu disse.
- Você já foi à padaria hoje?
- Ainda não, Raquel.
- Me faz um favor, eu preciso de um litro de leite.
- Claro, depois eu deixo no seu quarto.
- Obrigada.
Raquel tinha algo de especial. Ela nunca incomodava sempre discreta. O que tinha acontecido para ela me incomodar àquela hora? , fiquei imaginando. Enquanto vestia a minha calça. Bom, já estava na hora de ir à padaria mesmo. Sempre gostei de fazer minhas compras logo cedo.  Enquanto a padaria ainda estava deserta, não gosto de filas e nem de ficar conversando, por obrigação. Deveria existir uma lei que proibisse as pessoas de abrirem suas bocas quando não tem nada de interessante a dizer. Mas as pessoas adoram falar e ficam falando qualquer coisa apenas para articularem suas bocas. É desnecessário comentar que não sou um sujeito muito sociável.
 Quando entrei na padaria o Joaquim estava arrumando os pães na prateleira atrás do balcão. Esta é outra coisa a respeito de nossa vida padronizada, sempre tem um português em uma padaria. Eu sei é chato e repetitivo. Como a vida pode ser tão pobre? Ali estava eu saindo da minha rotina, comprando uma caixa de leite, e nem sabia se deveria comprar desnatado ou integral. Normalmente as pessoas compram desnatado por causa da saúde, ou integral por causa do gosto. Raquel era uma mulher de gostos ou de saúde? Como poderia saber?
- E ai meu amigo, o de sempre? Joaquim disse.
- Eu quero uma caixa de leite integral e outra caixa de leite desnatado. Eu disse.
- Você esta doente Jeux?
Realmente eu me sentia meio doente, mas não estava doente. Ou estava doente? Lembrei que logo cedo estava com enxaqueca. Como ele descobriu?
- Joaquim o vidente, heheh. Eu disse.
- Apenas achei estranho você comprando leite. Ele respondeu.
- Ah o leite, claro, - eu disse - mas não é pra mim.
- Então o caso é pior do que eu pensei. Ele disse e abriu um sorriso amarelado.
- Vamos lá Joaquim, eu não tenho o dia todo.
Sai da padaria, com a sacola. Levando o de sempre e mais duas caixas de leite. A manhã estava realmente com cara de manhã, não tinha nada de especial. As quadras continuavam iguais ao dia anterior, os carros com as pessoas indo trabalhar continuavam passando, os pássaros cantavam. Tudo como deveria ser numa manhã. Até o sol estava radiante e desprezível.
Entrei no pequeno corredor, onde ficavam os quartos, alinhados como baias para cavalos. Driblando as roupas dependuradas em uma corda de náilon no meio do corredor, roupas mal lavada e ainda com fedor de suor e sabão em pó. Passei a primeira porta e fiquei parado na de numero 2. Três batidas. E Raquel abriu a porta com um sorriso. Porque as pessoas estão sempre com um sorriso forçado nos lábios. Parece ser um código de boas maneiras. Todo mundo tem que estar sempre sorrindo, mesmo que por dentro esteja se desmanchando em lagrimas. Quantas mascaras são necessárias para a boa convivência. Entreguei a sacola com as caixas de leite e fui para o meu quarto. Tinha sido cruel com o vizinho do numero 4 e gentil com a vizinha do numero 2. Eu estava aonde deveria estar, no meu lugar preferido. Em cima do muro, entre o céu e o inferno. 
Tirei da sacola o pão e o vinho, rasguei um bom naco de pão com as mãos, e desatarraxei a tampa da garrafa de plástico. Um bocado de pão e um gole de vinho, olhando o carpinteiro equilibrar a estante de metal. Deus é estranho, ele faz coisas realmente maravilhosas. E consegue equilibrar o universo, o pegando apenas por uma pata torta. O dia realmente tinha começado maravilhoso.






Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG

livros mais vendidos na amazon, dica de leitura, kindle, ebook, book, baixe agora

livros mais vendidos na amazon, terceira semana em destaque, aproveite e leia agora
adquira o seu exemplar também
Lista de mais vendidos da Amazon:
#2 em Livros > Infantil e Infantojuvenil > Ficção Científica, Fantasia e Terror > Terror de dar Calafrios
click no link e aproveite

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA - ERIK LARSON

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA ERIK LARSON ormato(s) de venda:livro, e-bookTradução:Berilo VargasPáginas:432Gênero:Não FicçãoISBN:978-85-8057-850-8E-ISBN:978-85-8057-851-5Lançamento:27/10/2015
Em 1o de maio de 1915, com a Primeira Guerra Mundial chegando a seu décimo mês, um luxuoso transatlântico saiu de Nova York com destino a Liverpool, com um número recorde de bebês e crianças a bordo. Era uma surpresa que os passageiros estivessem tão tranquilos, já que a Alemanha declarara os mares ao redor da Inglaterra como zona de guerra e havia meses os submarinos alemães levavam terror ao Atlântico Norte. Mas o Lusitania era um dos maiores e mais rápidos navios em serviço, e seu capitão, William Thomas Turner, acreditava piamente no cavalheirismo de guerra que por um século evitou que navios civis fossem atacados. No entanto, a Alemanha estava determinada a mudar as regras do jogo, e Walther Schwieger, o capitão do Unterseeboot-20, estava feliz em colaborar. Enquanto isso, um serviço de inteligên…