Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

Terceiro capitulo - novela - negociante de almas - Röhrig C. - lançamento 2015 - livro



03
No dia seguinte.
Eu tinha chegado cedo ao cemitério, não havia mais ninguém na capela, apenas o caixão lacrado. Ainda faltavam duas horas antes do enterro que estava Marcado para as 10h30min.
A temperatura tinha mudado, o céu estava encoberto. Densas nuvens bloqueavam o sol. Não era de se duvidar que logo fosse começar a chover. Parecia um dia típico de funeral, um dia feio e sombrio.  É como se o céu estivesse reverenciando o morto.
Como pode tudo acabar assim? Toda a corrida e pressa em conquistar, mais e mais poder. E de repente o sujeito se encontra dentro de um caixão, numa capela vazia. Aguardando para ser enterrado e esquecido. Ele teve uma vida aparentemente boa. Realizou todos os sonhos. Todos os sonhos? Uma vida plena? É possível? Não para ele, tinha muita ambição. Eu tenho muita ambição. Ali estava eu, com 30 anos, e sem uma perspectiva do que poderia fazer de minha própria vida. Ele tinha chegado ao fim, eu não sabia onde estava. E ainda tinha tempo pra chegar lá. A dois dias atrás ele deve ter pensado a mesma coisa.
A vida é estranha, não é? Um sujeito rico lacrado dentro de um caixão, enquanto outro miserável fica observando do lado de fora. Qual seria a relação dele com o outro sujeito? Ângelus, nome estranho. O sujeito tinha uma aparência formal e ilustre. Um aristocrata em pleno sec. XXI. Sua personalidade e maneiras não combinavam com a miséria do local. Uma cidade de pessoas muito simples e sem grandes desejos. Ele deveria estar mentindo, eu nunca o vi antes. Ele é daquele tipo que ninguém esquece, muito diferente, se destaca na multidão.
Eu precisava de respostas, fiquei curioso. O Anderson, nunca tinha me comentado de onde vinha todo seu dinheiro, sempre achei que fosse de alguma herança. Dinheiro de família. As respostas estavam agora ali dentro daquele caixão. O outro sujeito tinha ido embora e provavelmente não iria aparecer para o sepultamento. Fiquei esperando os parentes e amigos chegarem. Encostado na porta, vi quando os pedreiros, passaram com um carrinho cheio de ferramentas e duas pás. Precisavam organizar tudo para a cerimônia final.
O telefone tocou, retirei do bolso da calça, atendi.
- Pedro – disse. É você Rodríguez?
- Aqui é Bernardo Voltolini – disse a voz.
- O que foi meu amigo?
- Apenas liguei para saber se esta tudo saindo de acordo, com o que foi contratado.
- Eu não sei o que foi contratado, mas parece que esta tudo correndo dentro do esperado. Não posso dizer que esteja tudo bem, por causa da situação. Esta de acordo.
- Não consigo falar com os pedreiros, os enxergou por ai?
- Acabaram de passar em direção ao mausoléu da família.
- Me faz um favor fica de olho neles, sabe como são lerdos. É capaz de o finado apodrecer do lado de fora e eles ainda nem abriram a passagem.
- Estou esperando alguém da família chegar aqui na capela, assim que alguém aparecer eu vou lá dar uma olhada. Ainda temos tempo, é cedo.
- Eu conheço estes caras, eles são muito lerdos. Não da pra relaxar, fica de olho!
- Pode deixar.
- Estou mandando a tarde a pedra nova, ficou bonito. Um granito preto e as palavras em dourado. Não mandei antes porque o fotografo não entregou a foto. Mas igual ia ter que esperar o cimento secar dos tijolos, para fixar a tampa. Coisa de primeira linha.
- Nosso amigo merecia mesmo.
- Eu não sei se ele merecia, apenas fiz o trabalho. Quero apenas receber o meu dinheiro. Deixou uma viúva gostosa o coitado.
- E como vão os serviços?
- Esta época o ano é complicado, só morre mesmo quem esta doente. No verão e nos feriados o fluxo é melhor. Mas acredito que este ano os negócios vão melhorar. Tem muito adolescente curtindo festa de carro, e isto da uma incrementada nas vendas. E os pais sempre querem o melhor para os filhos, sabe como é.
- Cada um com a sua profissão, meu amigo.
- Da uma olhada nos caras para mim, confio em você.
E desligou.
Fiquei observando os pardais tomando banho de areia no saibro. Bom, que a temperatura estava amena. Deve ser muito ruim enterro em um dia de sol e tempo limpo. O calor abafado, e ter que vestir terno em qualquer época do ano já é um sacrifício. Mas terno escuro em tempo bom não combina. Não entendo porque de toda esta formalidade. É uma combinação de ostentação e dor. Se um conhecido morre, parece uma obrigação ter que ir se despedir. Como se o defunto fosse se importar. É lógico existe sempre a família, e é bom dar um apoio. Mostrar alguma gentileza, ser cordial e amável. Tem pessoas que levam ao estremo. Nem conhecem direito o morto e sua família. E dão um espetáculo. Ontem até que todos estavam coerentes, vamos ver hoje. Sempre se pode ter uma surpresa.
Um dos pedreiros voltou e passou pela porta. Acenando.
- Já está quase tudo pronto! Gritou. – Só vou pegar mais uns tijolos!
Peguei uma cadeira de dentro da capela, e me sentei do lado de fora. Parecia que as horas não passavam. Fiquei arrependido de ter chegado tão cedo. Mas alguém tinha que estar ali. Acendi um cigarro, e voltei a olhar para os pardais. Pássaros de sorte – pensei. – Para eles não existe esta coisa de céu ou inferno. É apenas a vida.

Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

"Eu nunca o vi bêbado" - uma entrevista com o editor de Bukowski (RARIDADE)

John Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odeia. Foi o que ele nos contou sobre sua conta.





Bukowski e sua esposa Linda. Fotos via Getty Images

Seja qual for a sua opinião de Bukowski - que você acredita que um niilista talentoso que só pensou em beber e foder, a voz de uma geração, ou um pouco de ambos - é inegável que era uma figura fundamental na história literária de Los Angeles. Por esse motivo, quando faz alguns anos trabalhamos no número do programa (o tema de Hollywood), decidi entrar em contato com John Martin, o editor de Bukowski. No final, a entrevista não foi publicada e permaneceu no rascunho até alguns dias atrás, quando decidimos publicá-la.


Se existe uma pessoa viva que pode dizer que conheceu o verdadeiro Charles Bukowski, essa pessoa é Martin. Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odei…

Exclusive Stephen King Interview - Entrevista exclusiva de Stephen King

Stephen Edwin King (born September 21, 1947) is an American author of contemporary horror, suspense, science fiction and fantasy. His books have sold more than 350 million copies[2] and many of them have been adapted into feature films, television movies and comic books. King has published fifty novels, including seven under the pen name Richard Bachman, and five non-fiction books. He has written nearly two hundred short stories, most of which have been collected in nine collections of short fiction. Many of his stories are set in his home state of Maine. King has received Bram Stoker Awards, World Fantasy Awards, British Fantasy Society Awards, his novella The Way Station was a Nebula Award novelette nominee,[3] and his short story "The Man in the Black Suit" received the O. Henry Award. In 2003, the National Book Foundation awarded him the Medal for Distinguished Contribution to American Letters.[4] He has also received awards for his contribution to literature for his …

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG
Criar e imprimir cartão de visita e flyer