Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

Novela: O convite - 4 capítulo

4
Decidi que já era hora de ir embora. A garota tinha sumido. Quem eu estava tentando enganar? É provável que ela tenha se entediado com minha conversa. E agora deveria estar conversando e rindo em algum grupo. A festa estava toda dividida em grupos. Apenas eu continuava sozinho, sem afinidades e deslocado.
Monica passou mais uma vez pela sala, dava alguns passos, parava, conversava, sorria, algumas vezes parecia gargalhar, tocava no ombro de um e de outro convidado. A anfitriã era o centro das atenções, um merecido destaque já que a casa, o aniversario e os amigos, tudo a sua volta a pertencia. Notei que apenas ela usava vermelho, um lindo vestido vermelho. Seu vestido contrastava com a cor sóbria e cinza das vestimentas dos convidados. Como eu não tinha reparado nisso antes? Eu deveria estar nervoso quando entrei na festa, mas agora estou entediado. E começo a reparar nos detalhes.
Poderia ir até a outra sala conversar com Daniel e deixar ele me apresentar a seus amigos. Mas não gosto de conversas rasas, e não tenho muito assunto. Onde esta a garota? Penso. E no mesmo instante ela surge na porta, vindo em minha direção. Para o meu alivio. Ela voltou! Sorridente e mais linda do que antes. Como digo “a fome é o melhor tempero”, eu já estava faminto por sua companhia.
- Desculpe a demora – ela disse -, mas tinha uma fila enorme para o toalete.
- Nem percebi que você demorou.
- Não percebeu?
- Percebi sim, já estava quase cortando os pulsos.
- Exagerado....hehehe.
- Verdade. Quase pedi para o garçom chamar a policia. Pensei que tinham lhe sequestrado. Ou quem sabe abduzida. Eu já estava quase indo lhe procurar.
- Você é muito exagerado. – ela disse e deu uma bela gargalhada.
- Apenas por você.
- Desse jeito vou ficar convencida.
Começamos a brincar com as palavras, nos provocar. E a noite parecia que tinha voltado à vida. O calor da sua presença era algo contagiante. Meu bom amigo garçom voltou a cena, trazendo copos novos e mais cerveja.
- Pretende passar a noite toda ao lado da mesa?
- É que estou controlando a distribuição dos alimentos.
- Você sempre fala assim.
- Nem sempre, apenas quando eu gosto da pessoa.
- Gosto da sua ironia.
- Estou adorando lhe provocar. Eu adoro fazer as pessoas rirem. Sou meio palhaço.
- Você é modesto, apenas meio.
- Pelo visto também gosta.
Até aquele momento ainda não tinham servido o bolo. Um aniversário sem bolo e velas, não é um aniversário. Esperei o garçom servir uns convidados que estavam ao lado. E perguntei a ele.
- A que horas vão cantar os parabéns?
- Daqui a pouco, senhor.
- Pensei que íamos ficar só naquele discurso.
- É que a senhora ainda está esperando chegar alguns convidados.
Olhei o relógio, já passava das onze horas.
- Mas quem é que chega a meia noite numa festa?
- Não sei senhor, com licença.
- Pode ir amigo, mas não se esqueça de voltar com mais cerveja.
Esperei ele se distanciar e comentei com Caroline.
- Você escutou o que ele disse?
- Sim, mas não é de se estranhar.
- Quem esta faltando?
- A Monica tem muitos amigos e clientes que são artistas, e eles sempre se atrasam.
- Bom, eu também sou e cheguei na hora.
- Cada um tem a sua hora.
- Verdade, mais um motivo para eu ficar de vigia ao lado da mesa.
- Vai acabar engordando desse jeito.
- Na verdade estou usando apenas como apoio para o copo.
- Você não imagina a fila que estava no banheiro.
- Agora você começou a falar o meu idioma, aquele negocio de toalete me parece. Deixa pra lá melhor não comentar.
- Você não é tão grosso assim.
- É uma mascara.
- Logo percebi. Gostaria de ver os seus últimos trabalhos.
- Se quiser podemos ir agora.
- Outro dia combinamos.
- Pra você tenho todos os dias livres.
- É uma cantada?
- Entenda como quiser. Apenas não me abandone de novo. Esta festa ficou horrível quando você saiu.
- E porque não foi se enturmar, tem muitas pessoas legais aqui.
- Sei...
Enquanto ela falava não conseguia parar de olhar para os seus olhos e boca. Seus olhos transpareciam em pura energia e jovialidade. Sua boca de lábios carnudos e sensuais exacerbava uma feminilidade incrível e vigorosa. Era a perfeita combinação de força e delicadeza. Nunca tinha visto ou estado com uma mulher assim antes. E sua inteligência emoldurava todo o contexto. Tudo o que me atrai em uma mulher ela tem nas doses exatas e perfeitas. Principalmente o fato de entender as minhas piadas. Fiquei um bom tempo divagando e analisando a situação. Não sou do tipo fácil, mas ali já estava pronto para casar com ela e ter uma meia dúzia de filhos, uma casinha no campo e começar a pintar paisagens campestres. Até que ela perguntou.
- O que você esta pensando? Esta com uma expressão tão pensativa.
- Estava pensando se ainda vai demorar.
- O que?
- Para servirem o bolo, já esta ficando tarde e amanhã eu preciso me acordar cedo.
Tive que mentir, não podia falar a verdade.
- Humm...- ela disse com ar pensativo, como se não tivesse ficado muito convencida com a minha mentira.
- Mas tudo bem. Vou sobreviver mesmo que tenha que sair daqui direto para o trabalho.
- Pensei que estava gostando.
- Estou sim, não me interprete mal.
- Agora fiquei confusa.
- Por quê? Perguntei.
- Não sei...
Nossa conversa entrou por um caminho estranho. Aquele abismo que separa a comunicação entre homens e mulheres. Eu deveria ter sido sincero. De alguma forma ela percebeu a mentira. Mas como ela não sabia a verdade. A situação ficou estranha. Muitas coisas podiam estar passando na minha cabeça, e ela sabia que não entendia. Eu precisava consertar aquele mal entendido.
- Posso ser sincero?
- Deve!
- É meio constrangedor, mas acho que fiquei deslumbrado com você.
- Mas nem nos conhecemos.
- Por isso mesmo. É uma bobagem, vamos esquecer.
- Você quer esquecer?
- Não.
- Não precisa ficar constrangido. Fiquei lisonjeada, apenas acho que você deveria me conhecer mais.
- Vou adorar.
Ela segurou a minha mão. Por um minuto parecia que íamos nos beijar. Então Daniel apareceu na porta acenando para mim e roubou a cena.
- Acho que aquela pessoa esta lhe chamando. Ela disse.
- É o meu “amigo”.
- Você não vai lá?
Acenei de volta que já iria.
- Não sei o que ele quer.
- Se você quiser pode ir, eu fico esperando.
Ele continuava na porta. Acenando como se tivesse urgência.
- Eu não demoro.
- Não vai esquecer-se de mim.
- Pode deixar, com certeza deve ser alguma bobagem. Eu já volto.




Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

"Eu nunca o vi bêbado" - uma entrevista com o editor de Bukowski (RARIDADE)

John Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odeia. Foi o que ele nos contou sobre sua conta.





Bukowski e sua esposa Linda. Fotos via Getty Images

Seja qual for a sua opinião de Bukowski - que você acredita que um niilista talentoso que só pensou em beber e foder, a voz de uma geração, ou um pouco de ambos - é inegável que era uma figura fundamental na história literária de Los Angeles. Por esse motivo, quando faz alguns anos trabalhamos no número do programa (o tema de Hollywood), decidi entrar em contato com John Martin, o editor de Bukowski. No final, a entrevista não foi publicada e permaneceu no rascunho até alguns dias atrás, quando decidimos publicá-la.


Se existe uma pessoa viva que pode dizer que conheceu o verdadeiro Charles Bukowski, essa pessoa é Martin. Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odei…

Exclusive Stephen King Interview - Entrevista exclusiva de Stephen King

Stephen Edwin King (born September 21, 1947) is an American author of contemporary horror, suspense, science fiction and fantasy. His books have sold more than 350 million copies[2] and many of them have been adapted into feature films, television movies and comic books. King has published fifty novels, including seven under the pen name Richard Bachman, and five non-fiction books. He has written nearly two hundred short stories, most of which have been collected in nine collections of short fiction. Many of his stories are set in his home state of Maine. King has received Bram Stoker Awards, World Fantasy Awards, British Fantasy Society Awards, his novella The Way Station was a Nebula Award novelette nominee,[3] and his short story "The Man in the Black Suit" received the O. Henry Award. In 2003, the National Book Foundation awarded him the Medal for Distinguished Contribution to American Letters.[4] He has also received awards for his contribution to literature for his …

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG
Criar e imprimir cartão de visita e flyer