Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

o que escrevo em redes sociais é ficção!

Prezados amigos e parentes. Gostaria de salientar que o que escrevo em redes sociais é ficção! Se os textos que escrevi geraram alguma preocupação ou duvida. Lembrem eu escrevo ficção. Eu nunca iria escrever algo a respeito da minha vida pessoal em uma rede social. O que eu escrevo são textos para ilustrar a minha opinião a respeito de certos assuntos. E como forma de registro do que eu vejo no dia a dia. Se eu uso o meu nome para ilustrar uma historia é porque eu faço como o advogado do diabo, preciso encontrar um culpado e não existe melhor exemplo do que eu me servir da minha pessoa. Se eu usasse o nome de outra pessoa acabaria sendo processado. Por este motivo muitas vezes me uso como um personagem das minhas historias.
Quando eu tenho uma ideia para escrever uma nova novela, eu vou publicando fragmentos dela no facebook, para testar a historia, ver o grau de comprometimento que consigo criar, a interação com outras pessoas.
Tudo que eu escrevo é uma critica a sociedade e aos modelos.
As vezes até falo algo de cunho pessoal, mas é inbox.
Uso 1% realidade para criar os outros 99% ficção.
Leia as minhas postagens como um texto literário e não como uma forma de diário. Eu ilustro a minha opinião com textos que invento.
Eu expresso a minha opinião e indignação contra a hipocrisia e a mediocridade de alguns seres humanos que observei ao longo do tempo.
E esta relação de tempo, também é complexa, pois trabalho com fragmentos de situações que ocorreram em tempos diferentes.
Um personagem é a soma de vários fragmentos de pessoas reais, potencializando a carga dramática. Para ficar mais divertido e criar maior impacto.
Mesmo quando escrevo poemas, são poemas escritos a partir da criação de um personagem. E gosto muito de usar influencia externa como: musica, pintura,pessoas. Crio um ambiente e trabalho um sentimento de forma que sugestiono aquela situação.
Adoro criar personagens marginais (entenda que marginal é um personagem que esta a margem da sociedade, alguém que não se encaixa nela, ou que é oprimido por ela)......espero que tenha ficado bem explicado. Mas se existir alguma duvida posso passar o numero da minha conta no banco e estou aceitando doações hehehehe.....
No momento estou escrevendo 3 novelas sendo que a trama de cada uma é bem distinta (mistério, terror, romance), 2 livros de contos (erótico, underground), 1 livro de poemas góticos/urbanos. Varias outras historias avulsas.
Mas posso garantir que não fiz nenhum pacto com criaturas assombrosas, nem me tornei um traficante de armas no oriente, continuo solteiro então não ando tendo problemas conjugais, não tenho pretensões de ir a lua, e não vivo no sec. XVIII, também não achei nenhum tesouro. Levo uma vidinha bem tranquila. Abraço a todos! Emoticon smile
e obrigado por estarem lendo as minhas postagens !!!!!

Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG

livros mais vendidos na amazon, dica de leitura, kindle, ebook, book, baixe agora

livros mais vendidos na amazon, terceira semana em destaque, aproveite e leia agora
adquira o seu exemplar também
Lista de mais vendidos da Amazon:
#2 em Livros > Infantil e Infantojuvenil > Ficção Científica, Fantasia e Terror > Terror de dar Calafrios
click no link e aproveite

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA - ERIK LARSON

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA ERIK LARSON ormato(s) de venda:livro, e-bookTradução:Berilo VargasPáginas:432Gênero:Não FicçãoISBN:978-85-8057-850-8E-ISBN:978-85-8057-851-5Lançamento:27/10/2015
Em 1o de maio de 1915, com a Primeira Guerra Mundial chegando a seu décimo mês, um luxuoso transatlântico saiu de Nova York com destino a Liverpool, com um número recorde de bebês e crianças a bordo. Era uma surpresa que os passageiros estivessem tão tranquilos, já que a Alemanha declarara os mares ao redor da Inglaterra como zona de guerra e havia meses os submarinos alemães levavam terror ao Atlântico Norte. Mas o Lusitania era um dos maiores e mais rápidos navios em serviço, e seu capitão, William Thomas Turner, acreditava piamente no cavalheirismo de guerra que por um século evitou que navios civis fossem atacados. No entanto, a Alemanha estava determinada a mudar as regras do jogo, e Walther Schwieger, o capitão do Unterseeboot-20, estava feliz em colaborar. Enquanto isso, um serviço de inteligên…