Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

duvidas de português - mal ou mau

Significado MAU
A palavra mau é um adjetivo, ou seja, serve para caracterizar um substantivo. Mau significa algo que não é de boa qualidade ou que expressa maldade.
Dica: quando surgir a dúvida na escrita da palavra mau, basta lembrar que ela é o antônimo da palavra bom
Veja os exemplos:
“Ele é um um avó mau e explora seus netos e netas nos afazeres de casa.”
“É um mau percurso este que você pensa em seguir e podemos ficar em apuros se algo sair errado.”
“Seu modo de agir é mau e não há como sua família não demonstrar decepção.”
“Seja um bom filho e você verá como a sua vida irá prosperar em todos os sentidos.”
Como foi exemplificado, o adjetivo mau sempre vai se referir a alguma coisa ou a alguém, por isso ele deve variar em gênero e número, concordando com o substantivo a que se refere (mau/maus ou má/más).
“Os maus tempos começaram quando todos em Brasília decidiram não se importar com os interesses do povo.
A palavra mau concorda com “tempos”, por isso deve ficar no masculino e no plural.
“As más línguas querem destruir a reputação das pessoas por pura inveja.
A palavra mau concorda com “línguas”, por isso deve ficar no feminino e no plural.
Significado MAL
A palavra mal pode ter diversas funções numa frase. Como um substantivo, ela pode expressar uma calamidade, tormento ou uma doença:
“É preciso eliminar o mal em seu princípio, caso contrário ele irá comentar todos os corações bons.
“O mal de Alzheimer é um problema de saúde pública que acomete as sociedades mais envelhecidas”
“Ela não agiu por mal,  fez tudo com a melhor das intenções apesar da pouca experiência.”
Ela também é usada com muita frequência como um advérbio, isto é, dando um sentido complementar ao verbo ou a um adjetivo da frase. Diferentemente do adjetivo mau, o advérbio mal é invariável: não vai para o plural, nem muda para masculino ou feminino.
Dica: deve-se sempre lembrar que o advérbio mal  é o oposto do advérbio bem, por isso substitua um pelo outro quando estiver na dúvida na hora de escrever.
Veja os exemplos:
“Os alunos do Colégio Militar se esforçaram bastante, contudo foram mal na avaliação final.”
“Estudamos muito, inclusive nos reunimos em grupo várias vezes, mas não fomos muito bem no teste.”
“A empresa vendeu mui bem superando todas as expectativas de seus acionistas.”
“Ele disse que era um chefe de cozinha exemplar, mas a refeição que preparou ficou muito mal feita.”
“O projeto de cinema criado para o novo Shopping Rio Mar ficou muito bem feito.”
RESUMINDO: Antes de escrever mau ou mal, use os seus respectivos antônimos bom e bem na frase. Se a palavra bom for adequada, o adjetivo MAU deve ser usado. Agora se a palavra bem for a correta, use o advérbio MAL.
Veja outros exemplos mais usados com as palavras MAU e MAL:
“As crianças acordaram de mau humor hoje.” X “As crianças acordaram mal humoradas hoje.”
“Ele é um mau jogador.” X “Ele joga mal.”
“A garota tem uma  educação” X “A garota é mal educada.”
“Tivemos um mau entendimento.” X “Tivemos um mal entendido”

Promoção de livros

743355678ae871043d48337fc70c9a8a--romances-auto

Ebook Amazon

É muito amor envolvido – Quando nasce um romance – LIVRO – Röhrig

Se preferir uma edição impressa clique no logo da Agbook 
 

Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

10 livros imperdíveis de Fiódor Dostoiévski em português (PDF) Grátis para baixar

10 livros imperdíveis de Fiódor Dostoiévski em português (PDF) Grátis para baixar 
                               » Assine nosso canal do Youtube e aprenda mais sobre literatura.« 


Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski[nota 1][nota 2]Moscou/Moscovo30 de outubro de 1821 - São Petersburgo28 de janeiro de 1881[1][2][3][4][nota 3] foi um escritorfilósofo e jornalista do Império Russo. É considerado um dos maiores romancistas e pensadores da história, bem como um dos maiores "psicólogos" que já existiram (na acepção mais ampla do termo, como investigadores da psiquê).[5][6][7] Entre outros temas, a obra do autor explora o significado do sofrimento e da culpa, o livre-arbítrio, o cristianismo, o racionalismo, o niilismo, a pobreza, a violência, o assassinato, o altruísmo, além de analisar transtornos mentais, muitas vezes ligados à humilhação, ao isolamento, ao sadismo, ao masoquismo e ao suicídio. Pela retratação filosófica e psicológica profunda e atemporal dessas questões, seus…

"Eu nunca o vi bêbado" - uma entrevista com o editor de Bukowski (RARIDADE)

John Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odeia. Foi o que ele nos contou sobre sua conta.





Bukowski e sua esposa Linda. Fotos via Getty Images

Seja qual for a sua opinião de Bukowski - que você acredita que um niilista talentoso que só pensou em beber e foder, a voz de uma geração, ou um pouco de ambos - é inegável que era uma figura fundamental na história literária de Los Angeles. Por esse motivo, quando faz alguns anos trabalhamos no número do programa (o tema de Hollywood), decidi entrar em contato com John Martin, o editor de Bukowski. No final, a entrevista não foi publicada e permaneceu no rascunho até alguns dias atrás, quando decidimos publicá-la.


Se existe uma pessoa viva que pode dizer que conheceu o verdadeiro Charles Bukowski, essa pessoa é Martin. Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odei…

A construção erótica segundo Lou Andreas-Salomé - FANI HISGAIL

FANI HISGAIL

Não há quem não tenha ouvido falar dela, uma das mulheres mais prestigiadas do círculo íntimo de Freud e amiga da família desde 1912. Ficou conhecida por ter despertado paixões avassaladoras em homens que marcaram a época, tais como Paul Rée, Friedrich  Nietzsche e Rainer Maria Rilke. Nos últimos anos,  Lou Andreas Salomé ressurgiu como Lou Salomé personagem do romance “Quando Nietzsche Chorou”, de Irvin D Yalon, e os mais jovens passaram a saber, mesmo que pela ficção, um pouco mais sobre a vida dessa senhora russa, célebre pela autoria de mais de vinte livros de poesia e ensaios de Psicanálise. Lojla von Salomé (1861-1937), é filha de um general do Estado Maior czarista, originário da França, e de mãe natural de S. Petersburgo, única menina depois de seis varões. Foi educada no protestantismo e aos 15 anos conhece o pastor holandês Hendrick Gillot, que durante dois anos vive um amor platônico, de adolescente. Dessa epistolar ligação, interessou-se por filosofia, teologia…
Criar e imprimir cartão de visita e flyer