Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

Doce e Duro Coração - conto de Cadu Turco

O blog recebeu mais uma participação, este conto foi escrito pelo amigo Cadu Turco e publicado pela primeira vez em seu blog https://niggazinferno.blogspot.com.br  (Histórias Vagabundas de uma Mente Vadia, Blog destinado à cronicas, contos e poesias deste paulistano de trinta e tantos anos. Conteúdo auto-biográfico e cotidiano marginal.).



Doce e Duro Coração


As manhãs eram um terror horrível pra mim nessa época.
 Trabalhava a noite e quando chegava em casa, o Sol era um inimigo a ser vencido.
 Era um apartamento quente então eu precisava DESESPERADAMENTE adormecer antes que ele nascesse ou estaria fodido e não dormia, ficando com a aparência de um zumbi. Tinha grande dificuldade em pegar no sono, tinha sempre que beber algo pra poder me dopar e cair, mas era o que era necessário fazer pra sobreviver.
 Numa manhã dessas estava na sala, deitado no sofá, o cinzeiro abarrotado de bitucas e um copo pela metade de vinho vagabundo, ouvindo um som que vinha da tv tentando adormecer quando a campainha tocou. Me levantei e fui atender. Duas senhoras por volta de uns 50 anos.
-Bom dia moço.
-Bom dia.
- O senhor conhece a blá blá blá...Testemunhas de Jeová.
 Não tenho nada contra nenhuma religião nem a favor, não me ligo nisso mas respeito a ideia de cada um.
-Moça, olhe...Legal seu lance ai, mas não é muito comigo não tá?Trabalho duro, doze horas por noite, e essa é a hora que dá pra eu dormir, se for possível não vir mais aqui, ao menos nessa hora eu agradeço mesmo.
-Mas senhor blá blá blá..
 Acabei com dó da tia.Meu sono tinha ido embora.Ouvi mais uns dois minutos de conversa, peguei uma revista boa pra recortar pra algo fechei a porta e tentei em vão dormir.
 Passada uma semana eu acho, lá estava eu, a mesma cena. O cinzeiro, o copo, a tv, meus olhos sangrando a campainha...
 -Bom dia moço blá blá bl
 -Olha dona falei contigo na semana passada e numa boa...PELO AMOR DE DEUS! NÃO TOQUE MINHA CAMPAINHA DE MANHÃ!
- Mas moço sabe..
- Dona sou ateu! Um bom dia.
 Fechei a porta já meio acabrunhado.
 Mas de qualquer maneira eu acabava respeitando as senhoras.
Tinha uma boa recordação de minha infância.
A mãe dos irmãos, Henry, Joe, Marc e Will Arlington era Testemunha, então sempre haveria em minha mente essa boa lembrança, ainda que o sono  me fosse roubado...
Percebi que eles vinham numa baita gangue.Fui até a portaria do prédio conversar com o Sr. Barnes, o velho porteiro que estava mais morto que vivo.
-Hey Barnes! Mas que porra é essa dessas donas batendo no meu apartamento pela manhã?
-São da minha onda Blake, você deveria ouvir a mensagem delas...Você é um cara que Precisa  da Palavra.
-Barnes meu velho...Eu preciso de Campari, alguns mangos pras contas, uma boa foda de vez em quando e SONO!!!
--Ah Blake, entenda...Você precisa...
-Beleza Barnes!
Fui embora e me senti vitima de uma conspiração.
Andei trabalhando duro e meio que me perdi no tempo, achei que a conversa com Barnes havia resolvido tudo até que numa manhã as vi chegando.
Fui até a sala e liguei o estéreo.
Slayer no ultimo volume.
Tinha a esperança que as espantasse sem que eu precisasse ser rude.
Elas não sabiam que todo  meu espirito de porco estava sendo represado em respeito as boas lembranças pela senhora Arlington.
A campainha tocou no instante que Tom Araya gritava.
Elas vão embora, pensei.
Tocou de novo.
E de novo
E de novo

Vesti o roupão e fui até a porta.
-Bom dia, o senhor...
-Olha minha senhora por favor me escute..Tenho um grande respeito pelas senhoras, por suas idéias e tudo o mais mas por Deus do céu mulh...
-O nome é Jeová
-Que seja! Por Jeová, por Buda, Por Sócrates, Zico e toda seleção de 82, NUNCA MAIS TOQUE NESSA CAMPAINHA! Não gostaria de ser rude com vocês.
-Mas senhor
-Por favor! Eu imploro! Sou alcoólatra assumido...Só quero beber até morrer em paz e me lascar 12 horas noturnas num emprego infernal, será que é pedir muito?!
-O Senhor precisa de ajuda
-Bom dia madame, tenha um ótimo dia! Espalhe a palavra mas pelo que quiser que seja NUNCA MAIS AQUI!
Fechei a porta e jurei que meu pesadelo estaria acabado.
Passado alguns dias vi a gangue entrando no prédio e conversando animadamente com Barnes.
Pensei por um momento que minha paz havia chegado, mas uma sensação de pesadelo se apoderou de mim.
Resolvi que aquela guerra acabaria hoje.
Lembrei das broas de milho na casa dos Arlington, de todo o carinho que sentia pela mãe deles, mas não dava mais.
Eu precisava de sono.
Me preparei para a cartada final.
Liguei a tv, e ela apareceu ali, brilhante, reluzente e eternamente linda.
Monica Sweetheart.
Deus não me deu nada.
Não me deu ionteligência, não  me deu beleza, doçura, dinheiro nem habilidades esportivas mas me deu um cabo de marreta.
Fui olhando Monica e lustrando o cabo.
Lustrando o cabo.
A campainha tocou.
Era a hora.
Meu ultimo ato abjeto contra a humanidade, meu sono voltaria sem a necessidade de Campari.
Sai pra fora com aquilo tudo apontando com um fuzil.
Imaginei a senhora gritando e correndo e partindo e eu ficaria ali, com a cara de demente, a boca de macaco e a paz mas...
A gangue havia mudado.Junto da senhora estava uma garota de uns 23 anos.
Diabo! Eu lá, daquele jeito, a garota.
Estava a um palmo da prisão e de uma bela foda.
Uma vontade insana de ver o que havia embaixo daquela longa saia, o negócio permanecia firme, meus olhos virando.
A senhora estava coma cara livida, acho que não me via
-Bom dia senhor
Fiquei em silêncio.
Estava concentrado demais na jovem.Esta olhou assustada.
Cutucou a senhorinha com o braço então ela viu.
-Minha nossa! Que vergonha!
Saiu andando.
Tinha vencido a guerra mas perdido um ótimo rabo
Um rabo jovem e emoldurado por uma longa saia.
Entrei em casa, olhei o rosto de Monica e fiz o que tinha que fazer.
E depois, finalmente dormi.

autor :Cadu Turco

Promoção de livros

743355678ae871043d48337fc70c9a8a--romances-auto

Ebook Amazon

É muito amor envolvido – Quando nasce um romance – LIVRO – Röhrig

Se preferir uma edição impressa clique no logo da Agbook 
 

Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

"Eu nunca o vi bêbado" - uma entrevista com o editor de Bukowski (RARIDADE)

John Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odeia. Foi o que ele nos contou sobre sua conta.





Bukowski e sua esposa Linda. Fotos via Getty Images

Seja qual for a sua opinião de Bukowski - que você acredita que um niilista talentoso que só pensou em beber e foder, a voz de uma geração, ou um pouco de ambos - é inegável que era uma figura fundamental na história literária de Los Angeles. Por esse motivo, quando faz alguns anos trabalhamos no número do programa (o tema de Hollywood), decidi entrar em contato com John Martin, o editor de Bukowski. No final, a entrevista não foi publicada e permaneceu no rascunho até alguns dias atrás, quando decidimos publicá-la.


Se existe uma pessoa viva que pode dizer que conheceu o verdadeiro Charles Bukowski, essa pessoa é Martin. Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odei…

Exclusive Stephen King Interview - Entrevista exclusiva de Stephen King

Stephen Edwin King (born September 21, 1947) is an American author of contemporary horror, suspense, science fiction and fantasy. His books have sold more than 350 million copies[2] and many of them have been adapted into feature films, television movies and comic books. King has published fifty novels, including seven under the pen name Richard Bachman, and five non-fiction books. He has written nearly two hundred short stories, most of which have been collected in nine collections of short fiction. Many of his stories are set in his home state of Maine. King has received Bram Stoker Awards, World Fantasy Awards, British Fantasy Society Awards, his novella The Way Station was a Nebula Award novelette nominee,[3] and his short story "The Man in the Black Suit" received the O. Henry Award. In 2003, the National Book Foundation awarded him the Medal for Distinguished Contribution to American Letters.[4] He has also received awards for his contribution to literature for his …

5 Poemas para uma madrugada insone

--------------------------------------------------------------------

-------------------------------------------------------------



----------------------------------------------------------------------------


Criar e imprimir cartão de visita e flyer