Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

Antes do temporal - contos - com prazer VI

Antes do temporal
A segunda noite no hospital foi estranha, sai do quarto e desci pelo elevador até o térreo já passava das 20h. Sai do prédio e fui caminhando pela rua até o café. A garota veio me atender e eu pedi uma xícara de café expresso.
- O senhor quer com leite? A atendente disse.
- Apenas café. Respondi.
Fiquei ali sentado na mesa olhando a cafeteria vazia, apenas eu, a atendente e a moça da faxina. Cinco minutos foi o tempo que ela levou para trazer a xícara e colocar na mesa.
- O senhor deseja mais alguma coisa?
Fiquei olhando para ela, para sua juventude, para tudo que de alguma forma significava aquela pergunta. Eu realmente queria muitas coisas, como ela podia saber.
- O senhor deseja mais alguma coisa? Ela insistia.
- Não, obrigado. Apenas o café.
- Se precisar de mais alguma coisa é só falar.
- Obrigado.
Ela foi gentil e se retirou. O café estava bem quente, a fumaça subia da xícara e se perdia no ambiente. A moça da faxina continuava limpando o chão. A vida continuava apenas vazia e cheia de nenhum sentido. Provei o café, não era um bom café, já deveria estar passado há muito tempo. É difícil encontrar um lugar onde se possa tomar um bom café. Poucas vezes na vida eu tomei um bom café. Não deveria esperar outra coisa àquela hora da noite. Fiquei bebendo bem devagar degustando cada gole, daquele café velho. A moça voltou até a minha mesa.
- A que horas fecha? Perguntei.
- Já estamos fechando, mas pode ficar a vontade.
- Obrigado.
Eu estava a vontade, não sei explicar como, mas estava a vontade. O café estava quente, o lugar estava quente e na rua estava frio. Foi uma longa xícara, deu tempo da moça da faxina limpar a metade do salão. Terminei o café e fui até o caixa.
- Estava bom? Ela perguntou.
- Perfeito.
Paguei e sai, na rua o frio continuava aumentando, fechei a jaqueta e apurei o passo para chegar à entrada do hospital e voltar para o quarto.
O acesso principal estava fechado, tive que caminhar por um corredor estreito e pegar o elevador dos fundos. Apertei o botão e fiquei esperando o elevador. Uma enfermeira chegou e ficou do meu lado esperando o elevador.
O elevador desceu, a porta se abriu. Dentro tinha dois enfermeiros e uma cama de hospital com rodinhas. Na cama um corpo enrolado em um lençol, um corpo grande e enrolado em um lençol. Parecendo uma múmia destas que a gente vê em livros de arqueologia. Eu e a enfermeira saímos do caminho e os enfermeiros empurraram a cama para fora do elevador e seguiram pelo mesmo corredor que tínhamos entrado.
Fui gentil e a deixei entrar primeiro no elevador, depois eu entrei e apertei o botão do numero do andar onde ficava o quarto.
- Isto é difícil. Ela disse.
- Faz parte do jogo. Eu disse.
Ficamos em silêncio o resto da viagem, o elevador subiu devagar. Fiquei pensando no corpo enrolado no lençol, um corpo grande. Deveria ser o corpo de um homem. Alguém estava morto embaixo daquele lençol, e os enfermeiros o estavam levando para o necrotério do hospital. O que mais me chamou a atenção foi a maneira profissional e perfeita como o enrolaram com o lençol, mostrava muita pratica. Deveria ser algo muito comum e rotineiro, porque a enfermeira ainda demonstrava algum sentimento. Eu não consegui entender. Era apenas um sujeito que estava ali embaixo. Alguém que tinha chegado ao fim da linha. É provável que alguns parentes e amigos estivessem chorando naquele momento. É provável que ele tenha feito muitas coisas, é provável que tenha deixado outras coisas por fazer. Mas é tudo provável e rotineiro, faz parte do jogo.
Entrei no quarto e dei uma olhada onde ficavam as duas camas, elas continuavam no mesmo lugar. Minha amiga continuava na dela e a outra continuava vazia. Sentei do lado da cama dei uma olhada no soro, continuava pingando no mesmo ritmo de quando eu tinha saído. Adormeci.
No outro dia acordei cedo, dei uma olhada no soro, continuava pela metade, desci para outro café. E foi como eu havia imaginado, o café continuava ruim, mesmo a cafeteria tendo acabado de abri o café continuava com o gosto de café velho. Voltei para o hospital, e antes de chegar na porta da entrada, vi o portão da garagem sendo aberto. Olhei para o lado e um carro de uma funerária estava dando sinal que ia entrar na garagem. Toda a garagem tinha azulejos brancos no piso e nas paredes. Eles tinham vindo buscar o sujeito do elevador. Fiquei pensando no trabalho que ele ia dar, tendo aquele corpo grande. Iam ter que conseguir um caixão grande, e depois um grupo de amigos ou parentes fortes para carregar o caixão até o destino final. São muitos protocolos até a carne poder simplesmente apodrecer na escuridão e no silêncio. Sete dias depois continuariam os protocolos e as lágrimas. Eu não iria ficar sete dias, minha amiga estava esperando sua alta para aquela manhã. Deixei o carro entrar e o portão fechou lentamente. Um bonito carro preto com adornos amarelos na lateral. Voltei para o quarto e esperamos o medico chegar para dar à alta. Acabamos ficando até o final do dia.
Dois dias depois a rotina fora do hospital, me fez esquecer em parte, mas não totalmente aquela imagem do elevador. Quando sai do apartamento a tarde para ir ao centro, sai de maneira distraída. Uma mulher ia a frente e resolvi dar uma olhada discreta em sua bunda, não era uma bunda muito atraente, estava um pouco caída. Quando olhei para o lado, tinha um cão do meu lado, um cão enorme e cor de caramelo, com os olhos vermelhos. Levei um susto, nunca tinha visto um cão com olhos tão vermelhos, e tão grandes, ele andava tão próximo que quase batia em minha perna. E quando eu olhava pra ele, ele me olhava. Foi estranho, tive um pouco de receio que ele me mordesse. Seguimos por uma quadra andando lado a lado, eu parava e ele parava, eu olhava pra ele e ele me olhava. Parecia andar sincronizado com os meus passos. O céu estava limpo, e de tempos em tempos, alguém estourava um foguete, por causa do jogo de futebol que estava acontecendo. Num destes estouros, olhei para o céu azul e vi o risco da fumaça de dois foguetes. Olhei de novo para o lado onde estava o cão e ele tinha sumido. Fiquei com uma sensação como se não soubesse se ele era real ou apenas fruto da minha imaginação. Resolvi continuar caminhado, olhando para todos os lados na esperança de enxergá-lo. Mas ele tinha simplesmente sumido. O resto do dia foi tranqüilo.
À noite minha amiga apareceu em meu apartamento, já fazia alguns dias que ela tinha saído do hospital e parecia estar bem, jantamos, depois fizemos sexo e dormimos juntos. No outro dia acordei com ela do meu lado, ficamos aninhados de conchinha, fiquei sentindo o calor do seu corpo. Ela se virou para o meu lado, e senti seu hálito. Foi um cheiro conhecido que saiu de sua boca, um cheiro que já fazia vinte anos que eu não sentia. Um odor estranho, que me fez voltar no tempo. Ela tinha o hálito da morte, eu conhecia aquele cheiro. É um cheiro muito peculiar. Eu não sei qual o produto que se usa para embalsamar um corpo, mas foi aquele cheiro que eu senti. Fiquei um tempo sentido seu hálito e me lembrando. É um odor leve como de peixe fresco. Veio a minha mente lembranças tristes. Eu nunca vou conseguir esquecer aquele cheiro. Ela despertou e voltamos a nós aninhar de conchinha. O calor de seu corpo e a meia luz do quarto, o frio que estava fora das cobertas, despertou uma preguiça. Mas seu jeito manhoso, me fez levantar da cama e preparar o café. Um bom café, novo e passado na hora. Ficamos na cama tomando o café, e depois fizemos mais um pouco de sexo.
São estranhos os sinais que a natureza nós da antes de começar uma tempestade, primeiro você sente que algo esta diferente, depois é o vento, as folhas, a poeira, as nuvens que vão escurecendo e quando você vê a chuva vem de forma implacável, como se fosse acabar o mundo. E depois passa e você percebe que o mundo continua no mesmo lugar e que você ainda está vivo. Apesar de a morte estar sempre a nossa volta, sutil, às vezes gentil, companheira. Eu sei, normalmente esquecemos os sinais, ou escolhemos apenas não enxergar. Mas a tempestade é apenas um fenômeno da natureza. E fazemos parte do jogo.









Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG

livros mais vendidos na amazon, dica de leitura, kindle, ebook, book, baixe agora

livros mais vendidos na amazon, terceira semana em destaque, aproveite e leia agora
adquira o seu exemplar também
Lista de mais vendidos da Amazon:
#2 em Livros > Infantil e Infantojuvenil > Ficção Científica, Fantasia e Terror > Terror de dar Calafrios
click no link e aproveite

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA - ERIK LARSON

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA ERIK LARSON ormato(s) de venda:livro, e-bookTradução:Berilo VargasPáginas:432Gênero:Não FicçãoISBN:978-85-8057-850-8E-ISBN:978-85-8057-851-5Lançamento:27/10/2015
Em 1o de maio de 1915, com a Primeira Guerra Mundial chegando a seu décimo mês, um luxuoso transatlântico saiu de Nova York com destino a Liverpool, com um número recorde de bebês e crianças a bordo. Era uma surpresa que os passageiros estivessem tão tranquilos, já que a Alemanha declarara os mares ao redor da Inglaterra como zona de guerra e havia meses os submarinos alemães levavam terror ao Atlântico Norte. Mas o Lusitania era um dos maiores e mais rápidos navios em serviço, e seu capitão, William Thomas Turner, acreditava piamente no cavalheirismo de guerra que por um século evitou que navios civis fossem atacados. No entanto, a Alemanha estava determinada a mudar as regras do jogo, e Walther Schwieger, o capitão do Unterseeboot-20, estava feliz em colaborar. Enquanto isso, um serviço de inteligên…