Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

#Resenha RUM: Diário de um jornalista Bêbado - Hunter S. Thompson





RUM: DIÁRIO DE UM JORNALISTA BÊBADO
THE RUM DIARY

Hunter Thompson
Tradução de Daniel Pellizari

"Memorável... um achado 100% genuíno de grande importância literária"

Mail on Sunday

Quando Hunter Thompson iniciou a escrita de Rum: Diário de um jornalista bêbado, estava com 22 anos e tinha se mudado há pouco para San Juan, em Porto Rico, para trabalhar como jornalista. Quando Paul Kemp, o protagonista do livro, desembarca na mesma cidade para trabalhar no Daily News, é com a intenção de deixar para trás a correria de Nova York. Em comum entre os dois há também o gosto pelo jornalismo, pelo rum e pelas mulheres.

Mais conhecido como gonzo, Thompson surpreendeu os leitores quando Rum foi publicado em 1998, depois de ficar quase quarenta anos engavetado. Ao mostrar um grupo de jornalistas rodeados por um ambiente caótico e de instabilidade social, o escritor evoca o legado de Hemingway, a quem muito admirava. Estrelado por Johnny Depp no cinema, este segundo romance de Hunter Thompson, escrito nos anos 60, prenuncia as obras de ruptura escritas na maturidade do autor.

Hunter Thompson
Hunter S. Thompson (1937-2005) nasceu em Kentucky, nos Estados Unidos. Celebrizou-se como criador do gonzo jornalismo, estilo de escrita subjetivo e imersivo no qual não há fronteiras entre o escritor e o relato.

Filho de uma família problemática, foi preso por roubo aos 15 anos, e parte da pena foi cumprida com seu alistamento na Força Aérea, onde começou a trabalhar como jornalista no jornal da base onde servia. Após ser dispensado, entrou na Universidade de Columbia, em Nova York, onde teve aulas de escrita de contos e levava um estilo de vida inspirado no Movimento Beat. Enquanto estudava, conseguiu um emprego de copiador na revista Time, de onde foi despedido por insubordinação. Depois trabalhou em um jornal do interior do estado de Nova York, e também foi despedido em pouco tempo.

Em 1966, mergulhou no universo da gangue de motociclistas Hell’s Angels para escrever seu polêmico livro de estreia. Durante a segunda metade dos anos 60 Thompson conviveu ativamente com a contracultura e a comunidade hippie de San Francisco e começou a utilizar uma grande variedade de drogas, como o LSD, a Mescalina, entre muitas outras. Também bebia muito e fumava, sendo sua marca registrada estar sempre com uma piteira na boca. Esse estilo de vida alucinado influenciou muito seu trabalho, levando ao desenvolvimento do Jornalismo Gonzo. Seu primeiro artigo genuinamente gonzo foi O Kentucky Derby É Decadente e Depravado, publicado em 1970 na revista Scanlan's Monthly.

Escalado para cobrir a tradicional corrida de cavalos que acontece há mais de cem anos na sua cidade natal de Louisville, Thompson se afundou em um torpor alcoólico de quatro dias junto com o artista Ralph Steadman, que a partir de então ilustraria a maioria de seus artigos. Ao final da aventura, Thompson não sabia quem tinha ganho a corrida, mas produziu um artigo altamente ácido e crítico sobre a sociedade do sul dos Estados Unidos, repleto de digressões, e interferência do autor no curso dos acontecimentos, botando por terra a objetividade jornalística e a distinção entre autor e sujeito da narrativa. Nenhum jornalista tinha ido tão longe.

Thompson então foi contratado pela revista Rolling Stone, a maior porta-voz da contracultura nos Estados Unidos. Seu artigo de estreia foi sobre sua campanha para se eleger xerife da cidade de Aspen, no Colorado, famosa pelas pistas de esqui e frequentada pelos ricos e famosos. Ele concorreu pelo partido "Freak Party" e entre suas propostas estava a descriminalização do uso de drogas na cidade e a transformação de todas as ruas da cidade em ciclovias. Ele perdeu a eleição por poucos votos.

Em 1971 ele publica uma série de artigos na Rolling Stone que viria a se tornar seu livro mais famoso: Medo e Delírio em Las Vegas: Uma Jornada Selvagem ao Coração do Sonho Americano. Tratava-se de uma narrativa em primeira pessoa de seu alter ego, Raoul Duke, que viaja até a famosa cidade do jogo para cobrir uma corrida de motocross e uma convenção de promotores públicos sobre drogas, em companhia do bizarro advogado samoano Dr. Gonzo (inspirado no advogado mexicano Oscar Zeta Acosta). Antes da viagem, os dois encheram o porta malas de seu conversível vermelho com os mais diversos tipos de drogas (maconha, cocaína, LSD, éter, mescalina e muitas outras). O resultado foi uma busca esotérica do Sonho Americano, e o livro, também ilustrado por Ralph Steadman, se tornou o maior sucesso de Thompson.
Fonte: L&PM Pocket




O livro foi adaptado para o cinema :






Promoção de livros

743355678ae871043d48337fc70c9a8a--romances-auto

Ebook Amazon

É muito amor envolvido – Quando nasce um romance – LIVRO – Röhrig

Se preferir uma edição impressa clique no logo da Agbook 
 

Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

5 Poemas para uma madrugada insone

--------------------------------------------------------------------

-------------------------------------------------------------



----------------------------------------------------------------------------


"Eu nunca o vi bêbado" - uma entrevista com o editor de Bukowski (RARIDADE)

John Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odeia. Foi o que ele nos contou sobre sua conta.





Bukowski e sua esposa Linda. Fotos via Getty Images

Seja qual for a sua opinião de Bukowski - que você acredita que um niilista talentoso que só pensou em beber e foder, a voz de uma geração, ou um pouco de ambos - é inegável que era uma figura fundamental na história literária de Los Angeles. Por esse motivo, quando faz alguns anos trabalhamos no número do programa (o tema de Hollywood), decidi entrar em contato com John Martin, o editor de Bukowski. No final, a entrevista não foi publicada e permaneceu no rascunho até alguns dias atrás, quando decidimos publicá-la.


Se existe uma pessoa viva que pode dizer que conheceu o verdadeiro Charles Bukowski, essa pessoa é Martin. Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odei…

5 livros e 5 poemas de Charles Bukowski

5 livros e 5 poemas de Charles Bukowski Para quem adora boa poesia e é fá do velho safado, não pode deixar de conhecer esses 5 livros que a editora L&PM publicou. Livro “Sobre o amor” poema “Resposta para certa espécie de critica” Livro “Sobre gatos” poema “meu gato, o escritor” Livro “As pessoas parecem flores finalmente” poema “o minuto” Livro “O amor é um cão dos diabos” poema “o lugar não parecia mau”
Livro “Queimando na água, afogando-se na chama” poema “risada literária”




Assista o vídeo e confira 





Curte Bukowski não deixe de ler essa matéria  
"Eu nunca o vi bêbado" - uma entrevista com o editor de Bukowski (RARIDADE)














Quer ver uma página legal sobre o Bukowski no Facebook, indicamos a  @charlesbukowskibrasil

Tags: Bukowski sobre o amor, bukowski Sobre gatos, bukowski As pessoas parecem flores finalmente, bukowski O amor é um cão dos diabos, Queimando na água, afogando-se na chama, livros bukowski, charles bukowski,
Criar e imprimir cartão de visita e flyer