Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

Uma lâmpada queimada, cebolas e cervejas


O início do verão sempre parece ser mais quente do que é na verdade. Dias abafados e quentes, um mormaço que chega sem avisar. A cidade parece um forno. Mas é apenas uma ilusão, ainda não estamos acostumados ao calor da nova estação. Todo ano é a mesma coisa, nossos corpos acostumados ao inverno e o frio. Leva um tempo até se acostumar à nova temperatura.
Tinha uma garota nova trabalhando no boteco do meio da quadra perto de uma sapataria a seis quadras da pensão onde eu morava. Quando a vi varrendo a calçada usando uma saia florida quase transparente dava pra ver a calcinha atolada em sua bunda. Aquilo me fez escolher um novo trajeto para minhas caminhadas até o centro, eu sempre ia pela rua de trás, mas aquele dia eu estava sem cigarros e resolvi ir ao bar para comprar uma carteira. Fiquei olhando ela se agachar para recolher o lixo com uma pequena pá de lixo. Com uma das mãos ela segurava a pá e com a outra a vassoura, ia empurrando o lixo com a vassoura para dentro da pá. Fiquei olhando ela agachada com os joelhos dobrados, suas cochas ficavam mais grossas, a saia subia um pouco e podia ver sua calcinha atolada. Fiquei com muito tesão pela cena e o calor, ela se virou para o meu lado e sorriu. Um lindo sorriso ingênuo.
O bar estava vazio às três horas da tarde, o pessoal sempre chega mais no final do dia para tomar um trago e ficar cuidando do movimento que passa na rua. Entrei e me encostei-me ao balcão esperando ela entrar. Ela entrou e foi largando a pá e a vassoura encostada na parede e perguntou:
- Posso lhe ajudar?
- Sim, eu quero quatro carteiras de cigarro e uma cerveja.
- Qual marca de cigarro?
- Pode ser “Derby azul”, e a cerveja a que você tiver mais gelada!
Não conseguia para de olhar para ela, fiquei analisando cada movimento, cada gesto, a maneira como seu corpo se mexia por debaixo daquele vestido, sua boca, o cabelo. Ela se virava para pegar os cigarros no mostruário atrás e eu podia ver sua cintura, seus braços se esticando para pegar as carteiras, sua mão arrumando os cabelos loiros e compridos, o formato dos seus seios, a alça do sutiã que aparecia. Fiquei encostado no balcão.
- Você pode se sentar-se à mesa eu já levo a cerveja. Ela disse.
- Está bom aqui! Não se preocupe. Qual seu nome?
- Monica e o seu?
- Jeux. Que dia quente hoje né? Tentei puxar assunto, mas ela não escutou estava prestando atenção na temperatura das cervejas. Monica ia tirando todas as garrafas da primeira camada, e se debruçava procurando as garrafas que estavam no fundo do freezer. Ela quase entrava dentro. Fiquei apaixonado por sua bunda, enquanto ela enfiava a parte de cima de seu corpo dentro do freezer. Deu uma vontade de me aproximar levantar seu vestido, baixar aquelas calcinhas e começar a comer ela por trás. Acabei ficando de pau duro, olhando aquela visão.
- Achei! Ela deu um gritinho e levantou-se com uma garrafa de cerveja bem gelada. Estava feliz, ela tinha achado a cerveja mais gelada. – Esta deve estar no ponto! Ela falou e abriu.
- Perfeito vamos beber! Respondi.
Enquanto ela servia um copo, fiquei imaginando um monte de sacanagens que poderíamos estar fazendo naquela tarde quente. Não entendo as pessoas que passam a vida toda inventado coisas importantes para fazer quando o mais importante é fazer uma boa sacanagem e depois dormir satisfeito.
- Você não vai tomar um gole comigo Monica?
- Não posso, se o dono me vê bebendo ele me bota na rua.
- Mas ta muito quente! Só um golinho não vai fazer mal.
Alcancei o copo para a garota e ela tomou um gole sem muito jeito, parecia com muito medo do dono a pegar bebendo com um freguês. Então não insisti mais e fiquei tomando minha cerveja e ela voltou para sua limpeza.

Depois daquele dia comecei a passar todos os dias pela frente do bar, é o caminho mais curto para ir ao centro eu ficava me justificando. E lá esta a garota encostada na porta se abanando com um jornal, parece que vai derreter. Eu passo pela calçada e fico olhando pra ela. Comprimento e prometo que volto mais tarde. Ela me devolve o cumprimento com um sorriso amigável. Todo dia até mesmo quando eu não preciso ir ao centro, apenas faço a volta na quadra para ter uma desculpa para dar uma olhada e a cumprimentar.
Depois de um tempo aconteceu algo realmente inesperado.
Uma tarde quando já estava quase dobrando a esquina escuto um grito – Ei! Espere só um pouco! Viro-me para trás e vejo a garota correndo na minha direção, fico parado.
- Ufa! Pensei que não ia lhe alcançar. Ela falou ofegante.
- O que foi?
- Eu não queria lhe incomodar, mas você pode me ajudar?
- Claro o que aconteceu? Perguntei olhando para ela. Monica parecia toda suada, secou o suor da testa com a mão e depois passou as mãos na camiseta.
- O dono do bar viajou e estou sozinha.
- Sim!
- Hoje de manhã quando acordei fui acender a luz e queimou a lâmpada e meu quarto é muito escuro.
- Não sabia que você morava no bar.
- Eu moro num quartinho nos fundo, é que os alugueis estão muito caro e o dono me ofereceu o espaço. Na verdade é tipo uma dispensa, mas por enquanto é o que eu posso ter.
- Você quer que eu troque a lâmpada pra você?
- sim, ela fica muito alta e eu não alcanço. Você pode me fazer este favor, se não for incomodo.
- Claro, vamos lá.
Voltamos para o bar caminhando e conversando sobre a temperatura, e como era ruim o início do verão. As pessoas sempre ficam reclamando na verdade ninguém esta satisfeito com nada. Quando não é o calor é o frio. E depois nunca se tem assuntos muito interessantes, quando não se tem o que se falar, se fala do tempo.

Quem disse que as loiras não sofrem. A gente sempre acredita que basta a mulher ser loira para se dar bem na vida. Eu pelo menos sempre tive este fetiche. Pode ser porque transei mais com morenas do que com loiras. Sempre me pareceram inacessíveis as loiras. Bastava ser loira para eu achar que era gostosa. E claro tinha as exóticas, mas nunca feias. E eu estava ali pronto para ajudar aquela loirinha em apuros.  E ela parecia ser real e simples como qualquer outra.
Fomos entrando pelo bar e indo para os fundos, passando pela porta do banheiro e seguindo por um corredor estreito. O corredor tinha um cheiro de urina choca chegava a arder o nariz, eu já tinha usado o banheiro, mas sempre bêbado e não tinha reparado no fedor do lugar. Ela parecia não se importar com o fedor já deveria estar acostumada.
- Porque você não me falou quando passei na porta do bar?
- Fiquei sem jeito, não sabia o que você iria pensar.
- Eu nunca penso nada.
- Fiquei com vergonha de pedir para você entrar no meu quarto, sabe como é.
- Você não é daqui né?!
- Eu morava em Canguçu, mas lá não tem serviço então estou tentado aqui.
- E o que esta achando de Pelotas?
- Me parece ser uma cidade boa de morar, o pessoal é meio estranho, mas eu gosto.
- O pessoal é bem estranho mesmo! Respondi.

Continuamos andando pelo corredor até chegar numa porta muito alta e estreita, estas casas antigas deveriam abrigar gigantes, não sei por que faziam portas tão altas. Ou vai ver os antigos tinham uma alta estima muito baixa e deviam se achar maiores se as portas fossem altas. A porta estava meio aberta e dava para ver o quartinho da loira. Era bem apertadinho, parecendo mais um ninho do que propriamente um quarto. Cheio de tralhas de todo o tipo. Aquilo parecia um deposito para o meu amor.
 Monica tinha um único defeito, ela comia muita cebola e isto fazia com que exalasse um cheiro acebolado por seus poros. Para mim parecia bom. Sempre gostei da comida bem temperada.
Tudo se resume ao amor, e como é bom amar. Ela sempre foi generosa comigo me deixando comprar fiado no bar. E agora estava podendo retribuir a sua generosidade.
Enquanto entravamos meio de lado, meio espremidos, fazendo um enorme sacrifício como se estivéssemos entrando em uma caverna. Derrubando alguns objetos e batendo nossas cabeças em outros.
Uma passagem extremamente estreita. Lembrei-me de um lema de antigos exploradores “Quanto pior! Melhor!”. Como gostaria que algumas coisas nesta vida fossem assim, deliciosamente estreitas e apertadas. Aconchegante, quente e úmida. Só de pensar comecei transpirar.
- deve ser difícil dormir aqui com todo este calor? Perguntei.
- A noite entra um ar pela janela e eu deixo a porta aberta, sempre circula um arzinho e ajuda a refrescar. Mas o problema são os mosquitos, tenho que sempre tomar banhos de repelente para eles não me devorarem.
- E você consegue dormir?
- Já me acostumei, no início foi difícil.
- Eu não sei se iria me acostumar, não suporto o barulho dos mosquitos.
- Sim, mas com o repelente eles não chegam perto.
- Ainda bem!
Continuamos entrando enquanto a garota ia se desculpando pela bagunça. A entrada estava meio bloqueada, tinha umas caixas de papelão atrás da porta. Tivemos que entrar pela pequena brecha, entrar de lado praticamente jogando o corpo para dentro da pequena peça que servia de quarto e deposito. Proclamei uma sentença “Nitimur in vetitum”, buscamos o proibido minha cara senhorita, buscamos sempre o proibido. Ela riu da maneira solene que falei palavras tão formais. Quando na verdade ela sabia exatamente os meus motivos para estar entrando em sua privacidade.
Ela não entendia uma palavra se quer em latim, ria pelo que imaginava, não pelo o que havia falado. Uma verdade filosófica que me fazia ruminar os pensamentos. Mas sempre preferi mostrar minhas qualidades mais importantes a as frivolidades intelectuais. Não era hora para o mármore e as prateleiras das bibliotecas, estávamos ali para falar do básico e necessário. Apesar do que o ser humano nunca quer ver alem da esquina, somos animais de carne e desejo e tudo que fazemos é com este propósito. Tudo gira em torno e por causa de nossas narinas dilatadas e sacanas.
Monica tinha as qualidades de uma boa fêmea que esta no cio. Dava pra sentir aflorar e se espalhar pelo ar seu perfume vaginal. Nada como um dia quente e varias horas intermináveis de trabalhos braçais. Suada e dengosa cheia de amor que a lubrificava deixando aquela gominha molhada em sua calcinha.
Se você a encontrasse na rua não poderia imaginar como é o lugar onde ela vive. Não em Pelotas, aqui as pessoas gostam de se vestir dois números sociais acima de suas reais condições. Para um bom observador é fácil ver quem não é. Sua pele tão pálida remete meus pensamentos a um lugar bucólico e campestre, uma mulher que a luz da lua cai tão bem. Não deixava de ser uma experiência poética.
O quarto tinha apenas um beliche maltratado por tantas idas e vindas. Não sei se já era dela a cama, mas com certeza o proprietário ou o antigo proprietário gostava muito de se mudar, talvez tenha sido comprada em algum brick ou já fazia parte do mobiliário do quarto.
Um guarda-roupa de duas portas forrado com recortes de revistas femininas, onde atores masculinos desfilavam seus músculos e rostos jovens e felizes, posando de forma a proporcionar momentos de fetiches e sonhos femininos. Ela deveria sonhar muitas noites naquele quarto de olhos abertos e deslizando sua mão para dentro da calcinha e se acariciando enquanto olhava as fotos. Tocando seu sexo de maneira perfeita e protegida.
- Você gosta de novela? – perguntei a ela apontando para as fotos – tem muitos atores aqui!
- É a única coisa que tenho pra fazer. Monica respondeu. – Você gosta?
- Do que?
- De novelas! Ela respondeu.
- Não tenho televisão no meu quarto, assisto muito pouco. Apenas a programação que passa nos bares e é sempre esporte, mas não gosto.
- De novela?
- Não, de esporte.
Existe uma sensualidade latente em locais assim, pequenos segredinhos. Este ar de pobreza e marginalidade, submissão e fantasia. Muitos homens sensatos e de certo nível social e econômico, já se perderam nestes locais proibidos. Com suas empregadas, cozinheiras, faxineiras, atendentes de bar... e eu estava ali pronto e desejando me perder.
Uma cordinha de náilon muito bem arquitetada, quase toma todo o segundo plano da peça. Dando um charme de cortiço que eu tanto me delicio em minhas aventuras. Chego a babar pelo canto da boca um filete de saliva, pareço um cão febril. Esta fome comum. Quando penso que chegamos ao verão e que tudo é tão previsível, não me iludo com todo este cenário. Nem tento fingir compaixão, sou um homem mediano com desejos medianos.
- Legal seu quarto! Disse olhando para suas calcinhas.
- Você gosta mesmo?
- Claro! É muito aconchegante. Disse sorrindo amavelmente para ela.
Monica começou a tentar recolher algumas calcinhas e organizar um pouco sua bagunça, meio constrangida, por eu estar vendo sua intimidade exposta.
- Hoje eu não tive tempo de arrumar. Ela se justificava enquanto ia tirando a roupa do varal.
- Não se preocupe eu entendo.
As calcinhas, feito bandeirolas expressam uma sensualidade grotesca e absurda. O quartinho com um charme de carnaval em Veneza com pequenos pedaços de tecidos de varias cores e modelos que servem para encobrir as partes mais saborosas. Existe algo de interessante em alguns modelos, outros apenas um tédio efêmero. Numa tentativa de disfarçar as regras do jogo, num acaso de cenas angelicais. Calcinhas recatadas de uma virgem se misturam com as calcinhas de uma devoradora, é um banquete aos sentidos mais pervertidos. Mas os anjos estão sempre dormindo nestas horas, e os anjos não entendem nada de sexo. Ela tem aquele pequeno sorriso molhado no meio das pernas.
- Eu já volto, só um minuto. Ela falou e foi até a frente do bar.
Fiquei esperando ela e contemplando o cenário e pensando - Neste quarto do prazer lascivo que apetece os meus profundos instintos animais, penetrando uma caverna primitiva, o cheiro do ar estagnado e abafado, mofo, roupas intimas úmida e mal lavada. É um banquete no melhor sentido da palavra, sem abstrações. Apenas a carne e o prazer da carne e seus odores. 
Posso ser vulgar, mas tenho um bom apetite, e não costumo deixar comida esfriando no prato. Tem que se comer na temperatura certa para se saborear melhor. Você também tem que respeitar o costume do lugar. Quando voltou trazia uma garrafa de cerveja e dois copos.
- Esta quente né? Disse me alcançando um dos copos e servindo de cerveja.
Aceitei e esvaziei o copo de um gole só. – Muito quente! Mas a cerveja esta no ponto, você pode me dar mais um pouco?
Ela voltou a encher meu copo e eu esvaziei novamente.
Do lado da cama abaixo da janela, ela guarda um engradado de refrigerante antigo, fazia tempo que não via um destes de madeira hoje é tudo de plástico. Eles vinham com garrafas de vidro e como era bom o gosto. Diferente destas garrafas plásticas.
O engradado servia de mesa para um velho aparelho de TV P&B, ao lado um cinzeiro cheio de baganas de cigarros manchadas de batom vermelho. Conhece-se a classe de uma mulher pelo tipo de batom que usa, tem que combinar com a pele e suas intenções. Às vezes uma cor errada pode levar a deduções erradas, a única maneira de uma combinação errada dar certo é quando ela se encaixa ao ambiente onde está. O erro se torna perfeição, não posso imaginar outra cor para sua boca que não seja o vermelho da um ar safado e pobre. Fiquei imaginando ela com aquele batom me pagando um boquete.
Mas Monica demonstrava ser religiosa também. Do lado do televisor uma santinha de papel, o que prova uma tese a respeito da fé. Em qualquer lugar e situação, nas piores ou melhores condições. O ser humano sempre carrega suas crenças. Pela quantidade de cera derretida em frente da santa, da pra ver que ela ainda tem esperanças.
Este fardo que carregamos com tamanho prazer de culpa, nossa superioridade primitiva. Maneira arrogante de sermos o umbigo do universo.
Seus olhos me seguiam como holofotes no meio da noite, ela observava a tudo que eu observava. Sempre na defensiva de braços cruzados, tentando tapar os minúsculos seios de bicos tenros e rosados que eu imaginava. Mantendo um ar sóbrio misturado a excitação do momento.  O medo de ser descoberta era o único sentido de seu pudor. Mas ela tinha trazido a cerveja e isto já era um bom sinal.
O que a excitava cada vez mais, nossa cumplicidade e entrega ao momento. Este jogo que sabemos como acaba antes mesmo de começar. Mas quando esfria o gozo é hora de ir embora.  Quando entrei no quarto já sabia o que procurava mesmo ela estando insegura. Eu tinha certeza que ela queria fazer um sexo bem gostoso, apenas estava esperando o melhor momento.
Típico medo feminino de não ser correspondida, se ela me conhecesse melhor. Nunca teria ficado com receio, sou um lorde que não sabe dizer não a uma dama. Aprendi a jogar refletindo as palavras no espelho, sou exatamente o reflexo de sua vontade, me moldo sempre aos desejos alheios. Tenho vocação para bom amante. – continuava pensando enquanto a despia em minha imaginação.
- é alto você viu? – ela disse – eu tinha razão.
- Com certeza, estas casas velhas o forro é sempre alto, mas posso dar um jeito. Respondi.
Tive que usar o engradado para alcançar a lâmpada. Estas casas antigas e seus tetos altos de madeira corroídos por cupins. Lembrava a casa das minhas tias no interior, provavelmente deveria morar uma raposa naquele teto, elas adoram. Mas em Pelotas não temos raposas apenas agiotas.
Tudo parecia um jogo de cartas marcadas, velho chavão eu sei. No intimo sabíamos o que procurávamos com olhares e gestos, as palavras são o que menos importa nestas horas em que a temperatura dos corpos se assemelha ao nascimento de uma nova estrela. Por pura ética mantínhamos a calma e calávamos o desejo, enquanto nossos corpos gritavam desesperadamente. – sexo! Orgia! Insanidade! Paixão! Canibalismo!
- Pega minha mão. Eu pedi a ela.
- Vê se não cai e se machuca! Monica falou sorrindo e apertou minha mão, pude sentir que estava suada e macia.
Bom sinal – pensei. Estava nervosa, e normalmente pessoas que estão nervosas é porque estão excitadas por algum motivo ou situação. Tudo feito com segundas, terceiras e quartas intenções. Sem conseguir prestar atenção ao bocal da lâmpada, tirei a queimada e  atarraxei de qualquer jeito a outra lâmpada.
O tempo que levei poderia atarraxar umas vinte lâmpadas, mas estava embriagado pela cena. A cama, a mulher o varal. Seu corpo e o meu corpo suando dentro daquele quarto abafado. Nosso segredo, nosso segredinho.
Existe uma hora na vida que estamos completamente presos a fatalidade da embriagues sexual, e nada mais importa. Não conseguimos nos livrar, não conseguimos evitar, não conseguimos falar, simplesmente não conseguimos.  Nem o simples ato de olhar sem revelar nossas intenções.
- Está pronto! Falei e desci do engradado.
Igual ao toro na arena, que cai sobre o próprio sangue enquanto o publico delira extasiado. Sobre o nosso sangue, sobre a nossa morte naquele palco árido com todos os olhares voltados para o grande espetáculo. A vida se faz presente nestas horas, o horror, o delírio. Antigas festas e rituais aos deuses da fertilidade, profana orgia a celebrar a fecundidade da terra. Esta energia transformada em eletricidade que corre solta, o som pesado da queda do animal abatido, a poeira erguida no ar e o olhar vítreo. – meu membro cada vez maior e saliente, ela podia ver que eu estava excitado, mas continuamos o joguinho.
Nestas horas nascem as feridas que carregamos pelo resto de nossas vidas, aquela sensação de arrependimento, aquele instante, onde tudo é definido e onde não sabemos nada. E queremos tudo! O orgasmo é apenas uma conseqüência do infinito. Morremos felizes e ressuscitamos receosos, satisfeitos, gelados.
Desci como um herói do engradado, vitorioso com os louros da tolice humana. Consegui trocar a lâmpada e nem cai, pensamento idiota este, mas legitimo.
Penso na vitoria como algo humano e tolo, carregamos nossa gloria e estamos emplumados de ego e vaidade. O calor tinha aumentado minha excitação. Toda a situação tinha aumentado o meu tesão.
Os fatos, o fato de estarmos sozinhos, o fato de ela ficar me olhando, o fato de olhar sua roupa intima, de estar em sua intimidade. A porta do quarto fechada, tudo conspirava, tudo era tesão. E tínhamos tomado uma cerveja juntos.
Lençóis ainda impregnados com o cheiro de sua carne e que talvez naquela solitária noite anterior, como em muitas outras. A porta fechada, sozinha se tocando. Olhando as fotos de seus amantes imaginários e gemendo igual a uma cadela no cio. Até onde iriam seus sonhos e delírios? Até onde iriam os meus? Tinha que arriscar, eu tinha a vantagem de não ter nada, eu não tinha nada.
- Você quer outra cerveja? Ela perguntou.
- Se não for incomodo. Eu aceito.
- Não é incomodo nenhum, é o mínimo que eu posso lhe oferecer. Muito obrigada!
E saiu do quarto novamente, indo buscar outra cerveja, me sentei em sua cama e fiquei alisando o lençol com minha mão imaginando até onde iríamos. Ela voltou e eu arrisquei uma aproximação, caricias. Acariciei seu rosto com minha mão. toquei seus lábios, brinquei com seu lábio inferior, deslizando o indicador, que ela sugou todinho para dentro de sua boca úmida. Apertando entre seus lábios e tocando com a ponta da língua. Fazendo todas aquelas brincadeiras que uma mulher sabe fazer com a língua. Pude sentir a eletricidade correr pelo corpo. Uma fisgada, eu estava voluntariamente sendo fisgado. Não foi preciso mais nenhuma palavra, ela largou a garrafa no engradado e continuamos....
Segurei-a mais forte e comecei a tocá-la. Por um instante ela reagiu na defensiva, mas cedeu. Ficamos nos lambendo e beijando, acariciando um o corpo do outro, o tesão apenas aumentando.
Deslizei minha mão para dentro do seu jeans, sentindo seu calor na ponta dos meus dedos, acariciando seus pelos pubianos, sentindo o calor e a umidade. Escorregando até a vulva, sentindo todo seu sexo, em movimentos delicados e suaves, separando seus lábios e indo mais alem, alcançando seu clitóris.
Monica devolvia minhas caricias, acariciando meu sexo por cima da roupa, que a cada toque foi ficando mais duro e volumoso, ela continuava alisando por cima da roupa e depois foi abrindo o feche de minhas calças e colocando para fora. Ao lado da cama de pé nos masturbando e tendo todas aquelas sensações mágicas. Provocando nossos sentidos e fantasias. Com a respiração cada vez mais ofegante, numa mistura de gemidos, suspiros e pequenas frases safadas.
Misturando tudo ao ritmo que crescia, experimentando durante aquele tempo que ficamos entregues ao prazer, apenas duas horas. Que não preciso descrever aqui, você pode imaginar. Foi muito bom poder sentir ela e brincar com toda a safadeza que despertou. Adoro mulheres livres e sem regras, sinto tédio com as bem comportadas. Carne sem sal.
Enquanto tirávamos a roupa com dificuldades e jogávamos pelo chão do quarto. Esbarrei varias vezes com minha cara em suas calcinhas molhadas, até arrancar do varal, com os dentes, as que ela não tinha recolhido.
Sua buceta tem um adorável cheiro de cebola mais forte que o das outras partes de seu corpo. Um gosto adstringente, forte. Lambi aquela xota gostosa e quente. Pareciam dois bifes suculentos e acebolados.
Ela tinha a mania de gemer feito uma gata chorando, e suas unhas rasgando minha pele, o calor do sangue escorrendo por minhas costas e ela olhando com miúdos olhos de prazer.
Depois de gozarmos algumas vezes, o calor ficou insuportável e o cheiro forte infestou o quarto, aquele cheiro de xota misturada a porra e suor. A porra gelada em sua barriga me fez voltar a realidade. Saímos do quarto pingando a suor. Conseguimos ainda ficar uns dez minutos nos curtindo abraçadinhos com ternuras e palavras de amor no corredor, mas o cheiro da urina do banheiro. Eu sei que é sempre importante esta coisa do amor depois da foda, mesmo tendo que fazer o sacrifício de encostar-se à própria porra gelada. Mas o fedor do mijo choco, me impulsionou para o bar. Tenho uma facilidade para falar de amor nestas horas que chego a ser convincente, mas desta vez tivemos que deixar para outro momento.
Ainda fui um bom cara de pau, de dizer palavras doces com hálito de cebola. Freqüentava o boteco porque gostava dela, confessei. Já fazia algum tempo que estava com tesão e louco para fazer amor com ela. Foi outra meia verdade, na verdade era o calor que me botava naquela situação e poderia ser qualquer outra mulher. Mas continuei sendo gentil e ela me beijou na testa com carinho.
Voltamos para frente do bar, estava radiante, linda, tinha sido bem comida. Ficou toda vaidosa e me serviu o resto da tarde cerveja de graça. E a cada copo que eu bebia, parecia melhor do que o anterior. Se soubesse já teria trocado sua lâmpada antes. No final sai torto do boteco indo em direção da pensão, tropeçando pelo calçamento irregular. Mas não sai antes de lhe desejar uma boa tarde e beijar suas mãos de fada.
Amo Pelotas depois de uma foda e algumas cervejas de graça, quando se está completamente bêbado e aliviado até a merda dos cachorros é bonita e perfumada. Aquelas toneladas de coco espalhadas pelas calçadas e ruas, nos remetem a uma paisagem bucólica, com aromas campestres. As ruas ficam mais largas e o caminho mais curto e macio.
Eu tava fedendo que nem cachorro que se lambuza em carniça, e muito feliz. Para minha sorte a pensão era perto e não precisei pegar nenhum ônibus. Para a sorte dos outros passageiros. Mas isto já é outra historia, não é mesmo? Adoro cebola com cerveja. E você já parou para olhar a mulher do boteco do seu bairro, pode ser que valha a pena experimentar! Lâmpadas queimam.




Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG

livros mais vendidos na amazon, dica de leitura, kindle, ebook, book, baixe agora

livros mais vendidos na amazon, terceira semana em destaque, aproveite e leia agora
adquira o seu exemplar também
Lista de mais vendidos da Amazon:
#2 em Livros > Infantil e Infantojuvenil > Ficção Científica, Fantasia e Terror > Terror de dar Calafrios
click no link e aproveite

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA - ERIK LARSON

A ÚLTIMA VIAGEM DO LUSITANIA ERIK LARSON ormato(s) de venda:livro, e-bookTradução:Berilo VargasPáginas:432Gênero:Não FicçãoISBN:978-85-8057-850-8E-ISBN:978-85-8057-851-5Lançamento:27/10/2015
Em 1o de maio de 1915, com a Primeira Guerra Mundial chegando a seu décimo mês, um luxuoso transatlântico saiu de Nova York com destino a Liverpool, com um número recorde de bebês e crianças a bordo. Era uma surpresa que os passageiros estivessem tão tranquilos, já que a Alemanha declarara os mares ao redor da Inglaterra como zona de guerra e havia meses os submarinos alemães levavam terror ao Atlântico Norte. Mas o Lusitania era um dos maiores e mais rápidos navios em serviço, e seu capitão, William Thomas Turner, acreditava piamente no cavalheirismo de guerra que por um século evitou que navios civis fossem atacados. No entanto, a Alemanha estava determinada a mudar as regras do jogo, e Walther Schwieger, o capitão do Unterseeboot-20, estava feliz em colaborar. Enquanto isso, um serviço de inteligên…