Pular para o conteúdo principal

DICA DO DIA

Vamos ver



Uma reunião confusa, no segundo andar do prédio cinza. Assim começava nossa conversa sobre algo que ninguém queria falar. Foram arrumando as cadeiras em circulo e ficamos nos olhando. Quem seria capaz de começar algum assunto interessante. Todos com seus corpos pesados; sentados em cadeiras confortáveis e estofadas.  E tinha aquele silencio e os olhares mornos uns sobre os outros. As pessoas estão sempre pensando coisas importantes a respeito de seus próprios umbigos e tentam disfarçar com sorrisos nervosos e uma generosidade insana. Tinha um palpite onde tudo ia terminar, mas mesmo assim continuei me afundando em meu assento confortável.
- Qual a coisa mais importante que você já viu? Ela disse.
- O que? Ele perguntou.
Continuamos todos ali sentados, nos olhando. Que perguntas idiotas eram aquelas eu pensei. Comecei a contar quantas pessoas estavam ali sentadas, e tinha dez cadeiras em circulo, mas nem todas estavam ocupadas. Então contei as que estavam vazias e depois subtrai do total, tínhamos oito pessoas naquela sala. Não foi uma conta difícil.
- Qual a coisa mais importante que você já viu? Ela disse.
- O que? Ele perguntou.
Depois de um tempo você acaba esquecendo o que é realmente importante. E isto realmente é algo assustador. Percebi que não me lembrava de nada importante. Porque eu estava naquela sala? Uma pergunta interessante que eu não sabia responder. Dei uma olhada no relógio preso no meu pulso, tinha passado quinze minutos. Quem hoje em dia usa um relógio preso no pulso por uma pulseira de couro. A vida tinha corrido o tempo todo lá fora, e nos tínhamos vindo do lado de fora, deveríamos ter algo mais para conversar. O mais interessante é que todos estavam tentando fugir com seus olhares fixos nas cadeiras vazias.
- Qual a coisa mais importante que você já viu? Ela disse.
- O que? Ele perguntou.
Nunca fui muito bom com relação a relações humanas, às vezes penso que não sei pensar muito bem a este respeito. Um duvida simples, mas confusa a respeito do que seriam as relações e do que eu deveria esperar ou oferecer. Talvez tudo estivesse certo. Lembrei que um dia eu tinha chegado atrasado à parada do ônibus e tinha perdido o ônibus. Mas não parecia ser algo solido ou importante para dividir naquele momento.  A vida imita a arte ou a arte imita a vida, a sempre uma chance de se vomitar quando se fica muito nervoso.
- Qual a coisa mais importante que você já viu? Ela disse.
- O que? Ele perguntou.
Aquelas duas cadeiras vazias, tinham um significado feliz e ao mesmo tempo horrível. Podíamos estar em qualquer lugar se quiséssemos de verdade, ou simplesmente uma fatalidade nos impediria de estar ali.  Comecei a me sentir como um animal cuja pele era uma gaiola, a primeira gaiola. Não são as mascaras que nos prendem com suas mentiras, são camadas de gaiolas. Estamos presos dentro de nos mesmos e tudo que fizemos é construir mais círculos a nossa volta. E assim infinitamente vamos aprisionando cada vez mais. Grades, muros altos, armadilhas, vaidades, medo, egoísmo, raiva, amor, paixão, solidão...
- Qual a coisa mais importante que você já viu? Ela disse.
- O que? Ele perguntou.
Preciso de um cigarro, comecei a focar o meu pensamento. Imaginando estar fumando um cigarro bem tranqüilo, sentado no banco de uma praça deserta no outono. Vendo as folhas das árvores mudando de cor e caindo. Uma praça aonde as pessoas não vão, onde não existe nenhum constrangimento, nem disputas. O que me incomoda nas pessoas é a necessidade de tentarem adivinhar o que os outros estão pensando. Com base em seus próprios pensamentos. Eu normalmente quando olho para alguém, não penso ou tento imaginar o que a pessoa a minha frente esta pensando. Mas pode ser uma mentira também, normalmente as pessoas mentem. A maioria das verdades se baseia em alguma mentira ou especulação.  Quanto tempo ainda ficaria ali, esperando.
Então eu perguntei para ela: - Qual a coisa mais importante que você já viu?

- O que? Ela disse.


Ofertas:

Postagens mais visitadas deste blog

"Eu nunca o vi bêbado" - uma entrevista com o editor de Bukowski (RARIDADE)

John Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odeia. Foi o que ele nos contou sobre sua conta.





Bukowski e sua esposa Linda. Fotos via Getty Images

Seja qual for a sua opinião de Bukowski - que você acredita que um niilista talentoso que só pensou em beber e foder, a voz de uma geração, ou um pouco de ambos - é inegável que era uma figura fundamental na história literária de Los Angeles. Por esse motivo, quando faz alguns anos trabalhamos no número do programa (o tema de Hollywood), decidi entrar em contato com John Martin, o editor de Bukowski. No final, a entrevista não foi publicada e permaneceu no rascunho até alguns dias atrás, quando decidimos publicá-la.


Se existe uma pessoa viva que pode dizer que conheceu o verdadeiro Charles Bukowski, essa pessoa é Martin. Martin foi o editor de Bukowski durante grande parte de sua carreira, e é por isso que você agora sabe quem é Buk e você o ama ou odei…

Exclusive Stephen King Interview - Entrevista exclusiva de Stephen King

Stephen Edwin King (born September 21, 1947) is an American author of contemporary horror, suspense, science fiction and fantasy. His books have sold more than 350 million copies[2] and many of them have been adapted into feature films, television movies and comic books. King has published fifty novels, including seven under the pen name Richard Bachman, and five non-fiction books. He has written nearly two hundred short stories, most of which have been collected in nine collections of short fiction. Many of his stories are set in his home state of Maine. King has received Bram Stoker Awards, World Fantasy Awards, British Fantasy Society Awards, his novella The Way Station was a Nebula Award novelette nominee,[3] and his short story "The Man in the Black Suit" received the O. Henry Award. In 2003, the National Book Foundation awarded him the Medal for Distinguished Contribution to American Letters.[4] He has also received awards for his contribution to literature for his …

fundo transparente para criar imagem PNG

---------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------ passe o mause em cima da parte branca entre as duas linhas tracejadas , clique com o botão direito do mause  e copie o fundo transparente para criar imagem PNG
Criar e imprimir cartão de visita e flyer